2019 começará com a luta da juventude contra o “Escola Com Fascismo”

ocupacoes-de-escolas-unb123637

O projeto escola com fascismo, cinicamente nomeado pela direita e pela extrema-direita de escola sem partido, é uma grande investida destes setores contra direitos fundamentais, em especial a liberdade de expressão. Pretende impor a censura e o pensamento único, tal como em um ditadura, em todo os sistema de ensino no país, que atende milhões de pessoas. É uma passo fundamental para o estabelecimento da censura em âmbito nacional, dentro e fora da escola, pretendem com isso calar a esquerda, assim como promover uma enorme perseguição aos opositores do regime, sob a alcunha de combate a “doutrinação”.

No campo estritamente educacional promove a intimidação e a perseguição aberta contra os profissionais que denunciem exteriorização da educação, fundamentalmente impede que os estudantes tenha acesso ao pensamento crítico, em sua diversas matizes, em suma uma educação fascista, obtusa, obscurantista, cuja, função principal é glorificar o regime estabelecido e macular seus opositores.

Esse passo de grande monta da extrema-direita e da direita não logrou sucesso, porém não foi derrotado em definitivo. Os golpista Preta impô-lo tanto no plano Federal, que está paralisado, Estadual, ainda sem sucesso, e Municipal.

O ano de 2019 será decisivo na luta contra o Escola com fascismo. O governo golpista de Jair Bolsonaro, apoiado em sua base parlamentar tentará impor o projeto em nos ter níveis, como passo fundamental de perseguição e censura. É  preciso se Mobilizar desde já em defesa da educação pública, da liberdade de expressão, do conhecimento, contra o fascismo, a censura e a perseguição.

Para mobilizar a juventude contra a direita, é preciso criar comitês contra o Escola com fascismo e contra o golpe nas escolas e universidades; organizar a mobilização e a ocupação das escolas e universidades até a derrota final deste ataque.

A Aliança da Juventude Revolucionária (AJR) está encampando essa luta, junto dos estudantes, professores e funcionários da educação e a toda a comunidade. Um 2019 de ocupações, greves e mobilizações.

Abaixo o Escola com Fascismo! Fora Bolsonaro! Liberdade para Lula!