200 dias da prisão política de Lula: organizar comitês de luta contra o golpe e o fascismo

200 dias

Da redação – No dia de hoje, 24 de outubro de 2018, completam-se infelizes 200 dias em que o principal líder popular do País foi trancafiado no prédio da Polícia Federal em Curitiba, pelo “juizeco”, agente da CIA, Mussolini de Maringá, Sérgio Moro. E a infelicidade desse dia, não se encontra apenas no fato de o ex-presidente ser um preso político – sem provas -, dentro de um golpe de estado que derrubou Dilma Rousseff (PT), também sem provas, mas, principalmente, por estar mais do que claro que a direita dentro do PT, abandonou Lula para concorrer nas eleições fraudadas.

Dito isso, fica clara a necessidade de perder toda e qualquer ilusão nas instituições burguesas, golpistas, assassinas do povo, e convocar os trabalhadores para, como diz o famoso trecho da famosa música: “levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima”. É preciso organizar comitês de luta contra o golpe em todos os locais onde tenha alguém que queira lutar por Lula, contra o golpe e contra o fascismo. É preciso criar o habito de reuniões semanais, como a burguesia faz para manter seus interesses de usurpação dos direitos dos trabalhadores dentro do próprio congresso. É preciso fazer atividades nas ruas, com o jornal dos comitês, “A luta contra o golpe”, explicando para o povo que vivemos em um golpe e que as eleições são uma fraude, que está sendo controlada pelos militares golpistas, torturadores de outrora, que vão à público e ameaçam as instituições e o povo com um golpe militar.

É preciso convocar todos para a 2ª Conferência Nacional Aberta de Luta Contra o Golpe e o Fascismo, que vai acontecer na capital de São Paulo nos dias 8 e 9 de dezembro, para organizar essa grande mobilização nacional, debatendo a necessidade de Comitês de Autodefesa da população contra os “bolsonaristas” covardes que matam mulheres esfaqueadas nas ruas para colocar os trabalhadores na defensiva. É preciso agir como classe trabalhadora, operária e camponesa, com um programa de lutas bem definido, para que a força das organizações – sindicais, a CUT, o PT, o MST, o PCO – e todos os movimentos sociais, possam derrotar juntos o golpe que está destruindo todas as conquistas históricas dos trabalhadores.

Só a luta contra o golpe pode mudar o rumo da atual situação. É só derrotando os golpistas nas ruas, pelas forças das organizações dos trabalhadores, dos comitês de base, com uma greve geral da CUT, um Congresso do Povo, que esses capachos do imperialismo norte-americano irão recuar.

Todos à 2ª Conferência Nacional de Luta Contra o Golpe e o Fascismo nos dias 8 e 9 de dezembro! Liberdade para Lula preso político !