Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
CONADEP-Efemerides-02
|

O Informe Sábato (ou informe nunca mais), foi entregue pelo escritor Ernesto Sábato ao presidente argentino Alfonsín em 20 de setembro de 1984. O informe dizia que 8.961 pessoas desapareceram durante o regime militar no país que massacrou a população argentina entre março de 1976 e dezembro de 1983.

O escritor Ernesto Sábato entrega o relatório à Raúl Alfonsin

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Comissão Nacional de Desaparecidos (CONADEP), encabeçada por Ernesto Sábato e constituído por outras figuras importantes como filósofos, jornalistas, deputados e militantes, entregou o documento para a democracia recém recuperada. Os números foram obtidos através de testemunhos recolhidos de forma artesanal. O número englobava desaparecidos e executados.

A comissão era integrada por Magdalena Ruiz Guiñazú, Ricardo Colombres, René Favaloro, Hilario Fernández Long, Carlos T. Gattinoni, Gregorio Klimovsky, Marshall Meyer, Jaime F. de Nevares e Eduardo Rabossi, Santiago M. López, Hugo D. Piucill e Horacio H. Huarte.

A CONADEP recebeu documentos e denúncias sobre os desaparecimentos, sequestros e torturas ocorridos durante a ditadura argentina. As denúncias vieram da Argentina, Espanha, França e México. Ficou provado que todo os assassinatos e desaparecimentos eram um plano bem arquitetado pelas juntas militares argentinas. O trabalho de nove meses da comissão gerou um informe de 50.000 páginas.

O processo de investigação e o informe foi publicado em um livro chamado Nunca Más, e foi pedra de toque para o julgamento dos militares da ditadura argentina.

Livro Nunca Más

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O informe foi entregue pela CONADEP, na Casa Rosada (sede da presidência da república argentina), com uma multidão de 70.000 pessoas

Os números de assassinados, desaparecidos e sequestrados foi aumentando com investigações posteriores.

Em 2003, a Secretaria de Direitos Humanos da Nação Argentina já registrava 13.000.

Uma parte do serviço de inteligência informou que cerca de 22.000 haviam desaparecido na Argentina durante a ditadura.

As Mães da Praça de Maio, que agrega mães e avós dos desaparecidos, e diversas outras organizações, afirmam que o número é, na verdade, de 30.000.

Mães da Praça de Maio

 

 

Lista bem detalhada dos desaparecidos, onde, sob o comando de quem, etc…

http://www.desaparecidos.org/arg/victimas/listas/

Vídeo da entrega do Informe abaixo:

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas