Siga o DCO nas redes sociais

20 de agosto de 1940: Trótski é assassinado na Cidade do México
the_death_of_leon_trotsky
20 de agosto de 1940: Trótski é assassinado na Cidade do México
the_death_of_leon_trotsky

A 20 de agosto de 1940, morre Leon Trótski – principal responsável pela vitória bolchevique na Guerra Civil Russa (1918 – 1922). Após ter recebido um violento golpe na cabeça, o comandante supremo do Exército Vermelho chegara lúcido ao hospital, mas só teria mais alguns instantes ante de cerrar os olhos por definitivo.

Atingido pelas costas por um golpe de picareta de alpinista, Liev Davidovich Bronstein, mais conhecido como Trótski ainda se agarrara ao assassino enquanto seus guarda-costas chegavam. Mesmo agonizando, o bolchevique assinalara que não matassem o criminoso, para que se descobrisse o mandante do crime.

O encarregado pela morte de Trótski era Ramon Mercader, agente da GPU [polícia secreta que se encontrava sob os mandos de Stalin]. O crime fora planejado minuciosamente pela burocracia stalinista. Mercader chegara a passar seis meses na URSS, em 1937, recebendo instruções de como executar o maior rival de Stalin. Ao chegar ao México, o encarregado de Stalin se aproximou de uma das secretárias de Trótski, Sílvia Ageloff, a qual o apresentaria à Trótski como um admirador e simpatizante. No dia do assassinato, Trótski estava distraído com um texto que Mercader o entregara para que o mesmo fizesse ressalvas e desse opiniões. Aproveitando o descuido, Mercader não deixou a chance de golpeá-lo pelas costas.

Mesmo agonizando e com dificuldades em se comunicar, Trótski – com seu inabalável vigor revolucionário – disse suas últimas palavras:

“Estou a ponto de morrer por conta de um ataque de um assassino político… me atacou em minha casa. Lutei contra ele… entramos… íamos falar de estatísticas francesas… me atacou… peço que digam aos nossas amigos… estou seguro… da vitória… da Quarta Internacional… Avante!”

Dono de análises objetivas e certeiras acerca do desenvolvimento político sob condições que lhe exigiram extrema minúcia, Trótski chegara a ser alcunhado como “o profeta vermelho”. E, não por acaso, suas críticas à burocratização do Estado Soviético lhe renderam grandes inimizades. Em razão disso, passou a ser perseguido assim como tantos outros quadros dirigentes do partido bolchevique. Trótski já percebia o caráter contrarrevolucionário da camarilha stalinista que havia encontrado apoio na pequena burguesia soviética e, em todo caso, havia sido engendrada pela Nova Economia Política (NEP) iniciada em 1921. Trótski, à época, havia reconhecido a necessidade de implantação da nova política econômica, mas, sobretudo, apontava seus riscos e limitações. Diante disso, passou a liderar uma facção contrária ao stalinismo que vinha ganhando força, sobretudo após o 12º Congresso do partido, em 1923. Trótski passou a liderar a Oposição de Esquerda.

A partir daí, Trótski tornou-se o maior defensor do legado de Lenin, tão distorcido e caluniado por Stalin e outros asseclas. O trotskismo passou a ser a defesa intransigente do Marxismo-leninismo contra todos os oportunistas e filisteus que, no decurso histórico da luta de classes, se passaram por revolucionários apoiados na doutrina marxista.

Assim como Marx descobriu a lei do desenvolvimento da história humana, Trótski juntamente à Lenin, descobrira prodigiosamente – por intermédio de um partido revolucionário – como aplicar a teoria marxista diante das condições objetivas e subjetivas do desenvolvimento histórico, para levar adiante a tomada do poder pelo proletariado.