Dia de hoje na história
A Tcheka foi a primeira polícia secreta da União Soviética, que desempenhou a função de combater a contrarrevolução no período seguinte ao da tomada do poder pelos bolcheviques
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tcheka
Felix Dzerzhinsky (segundo da esquerda) com associados da Tcheka | Foto: Domínio Público

Neste dia 20 de dezembro, completam-se 103 anos da criação da Tcheka (em russo ЧК – чрезвычáйная комиссия, ou Comitê de Emergência, ), que foi uma das primeiras polícias secretas da União Soviética. Fundada em 1917, por um decreto emitido por Lênin, e conduzida por Feliks Dzerzhinski, veio para substituir a Okhrana (a polícia secreta dos tzaristas), tomando como base a sua organização interna.

Sua criação veio como uma reorganização do Comitê Revolucionário Militar, que nos primeiros meses após a tomada do poder pelos bolcheviques tinha diversas funções, como criar os novos corpos do governo, organizar as provisões de alimento para as cidades e o exército, requisitar bens da classe burguesa e de organizar a agitação e a propaganda nas províncias. Em 1 de dezembro de 1917, o Comitê Executivo Central de Todas a Rússia aprovou transformar esse Comitê em um organismo especificamente para combater a contrarrevolução.

Posteriormente, Feliz Dzerzhinski foi encarregado de planejar as atividades necessárias para combater a sabotagem e a contrarrevolução e elaborar uma lista de membros para participar da Comissão. Foram selecionados 8 dirigentes revolucionários, que delinearam o funcionamento desta que viria a ser a primeira polícia secreta soviética. A partir daí, o Sovnarkom (Comitê de Ministros da União Soviética) declarou sua criação no dia 7 de dezembro de 1917. No entanto, foi apenas no dia 20 que sua fundação seria oficializada.

Durante seus primeiros meses de existência, a Tcheka contava com apenas 40 oficiais em suas fileiras. Contudo, em 14 de janeiro de 1918, o Sovnarkom ordenou que a organização aumentasse de tamanho. Na primavera deste mesmo ano, a Tcheka já contava com milhares de equipes, que agiam no sentido de investigar, detectar e suprimir a contrarrevolução, a especulação e a bandidagem. Posteriormente, ainda passou a investigar atividades contrarrevolucionárias dentro do Exército e da Armada.

Ao final de janeiro de 1918, como parte de uma solicitação feita por uma Comissão de Investigação do Soviete de Petrogrado que procurava delimitar o papel dos órgãos de detenção e investigação judicial, a Tcheka passou a desempenhar apenas as funções de detecção e supressão, não sendo mais encarregada da investigação.

Em fevereiro de 1918, organizaram-se diversas Tchekas para combater localmente a contrarrevolução, sendo a primeira delas a de Moscou. Chegou-se ao número de 38 Tchekas no fim das contas e a de Moscou passou a ser a Tcheka central. Sua atuação foi fundamental naquele período de guerra civil para suprimir todas as tentativas de reverter o processo revolucionário russo por diversos setores da sociedade, desde burgueses, até antigos funcionários do império russo ou até setores pequeno-burgueses manipulados pela burguesia e pela contrarrevolução.

A Tcheka, como todas as instituições soviéticas, não passaria incólume ao curso da luta política que seguiu na URSS. Ao longo do tempo, passou por algumas renomeações e redefinições de funções até, ao fim e ao cabo, tornar-se, sob outras denominações (GPU, OGPU etc.), um dos principais instrumentos da burocracia stalinista para esmagar os elementos revolucionários no interior (e mesmo no exterior) da URSS.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas