1º de maio em Curitiba foi bem claro: os trabalhadores não querem “plano B”

images

Este 1º de maio foi marcado por diversas atividades, sendo a principal realizada em Curitiba (PR). O ato contou com a presença de trabalhadores, estudantes, militantes de partidos de esquerda, de todo país. Foi visível o clamor popular pela liberdade de Lula, preso político pelo regime da direita. Além de tal, a luta também é contra o golpe e pelo direito do ex-presidente ser candidato

O ato contou também com a participação de lideranças de partidos da esquerda pequeno-burguesa, como é o caso de Manuela d`Ávila, que demonstrou claramente ser adepta as alianças com a direita golpista, apostando, assim como outros líderes, no “plano B”.

O “plano B” é claro: esquecer a luta pela liberdade de Lula. Deixá-lo mofar na cadeia. “Virar a página do golpe” e focar nas eleições fraudulentas. É claro que tal posicionamento, além de confuso, é uma aceitação da política dos golpistas, facilitando o aprofundamento do golpe.

Todavia as mobilizações populares deixam claro que os trabalhadores não querem nenhum “plano B”. Ou seja, nenhum tipo de aliança com os golpistas que massacram a vida da população. Trabalhadores de todo país se mobilizam pela liberdade do ex-presidente, bem como pela sua candidatura.

A direita golpista possui enorme medo da mobilização popular. Lula, em uma situação hipotética de concorrer as eleições, venceria de forma disparada. A direita fez e fará de tudo para que isso não aconteça. Para tal, lançam candidatos capachos do imperialismo, mascarados de esquerda, como é o caso de Ciro Gomes. O povo, porém, não quer saber dessa esquerda eleitoreira e pequeno-burguesa.

Sendo assim, a política correta é não comprar, em momento algum, a política dos golpistas. Nesse sentido, compreende-se o caráter fraudulento das eleições. A palavra de ordem é clara: é Lula ou nada. A esquerda, bem como todos os trabalhadores, devem seguir lutando contra o golpe, que reflete na fraude eleitoral, pela liberdade de Lula, e de todos os presos políticos.