21 de junho de 1839
À 181 anos nascia o maior escritor de todos os tempos, Machado de Assis, autor de grandes obras, como Dom Casmurro, Quincas Borba e Memórias Póstumas de Brás Cubas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
machado_de_assis (1)
Machado de Assis (1839-1908) | Foto: Academia Brasileira de Letras/Domínio Público

Joaquim Maria Machado de Assis, mais conhecido como Machado de Assis, nasceu a 181 anos no dia 21 de junho de 1839, na cidade do Rio de Janeiro, no Morro do Livramento. Um escritor autodidata que a uma certa altura se tornou profissional, considerado um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos. Cresceu em uma família pobre, mal conseguiu estudar. Com interesse pela boemia e pela corte, subiu socialmente com a superioridade e a cultura da cidade, assumindo diversos cargos públicos, onde teve notoriedade com publicações de suas poesias e crônicas, o que por fim fundou em parceria de seus amigos e foi o primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras.

Um homem negro que retratava o comportamento da burguesia, trazendo a tona assuntos que a gente vê ainda na sociedade de hoje, escrevendo todos os gêneros literários, era romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista e crítico literário. Fez parte de um dos maiores acontecimentos da história, que foi a abolição da escravatura, sendo um grande comentador de eventos políticos-sociais de sua época, relatando as mais diversas reviravoltas pelo mundo entre os séculos XIX e XX. O grande diferencial em suas obras é como o escritor conversava com o leitor, projetando-o sobre seus escritos.

Seus livros são considerados um marco entre o Romantismo e o Realismo no Brasil, com a publicação de Memória Póstumas de Brás Cubas. Entre suas obras de se encontram também Quincas Borba, Dom Casmurro, Esaú e Jacó e também a Trilogia Realista com os livros Ressurreição, A Mão e a Luva, Helena e Iaiá Garcia. Dom Casmurro, uma das obras mais lidas e polêmicas de Machado de Assis, nós temos uma crítica ao poder de posse da burguesia e seus medos sobre a classe trabalhadora que queria ser livre. Sendo a burguesia representada por Bentinho e o trabalhador por Capitu.

Tendo um estilo único, que é considerado atual nos dias de hoje, o escritor tem um enorme prestígio no Brasil e no exterior, principalmente agora, no último dia 2 de junho, que uma versão em inglês de Memória Póstumas de Brás Cubas foi esgotada em um dia apenas. Para a tradutora Flora Thomson-DeVeaux Machado “brincou de maneira genial e absolutamente perversa com a sociedade em que vivia”. O livro traduzido, é narrado em primeira pessoa por um morto que conta a história de sua vida, trazendo polêmicas ainda atuais a sociedade brasileira como raça e classe social. Sendo o autor era neto de escravos, negro e favelado, ele trazia a realidade do seu ponto de vista, da suaprópria realidade.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas