Dia de hoje na História
Ana de Castro Osório, conhecida mundialmente pela sua vasta obra e por uma vida dedicada a luta das mulheres
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ana_de_Castro_Osório (1)
Retrato de Ana de Castro Osório. | Fonte: Internet/Domínio Público

Hoje, dia 18/06, nasceu em 1872 na cidade de Mangualde, cujo estado tem o mesmo nome, a escritora portuguesa Ana de Castro Osório. Renomada escritora da língua portuguesa no geral, também foi jornalista, pedagoga e ativista de atividade intensa na luta das mulheres. Destacada pela literatura juvenil, faleceu em Lisboa, no ano de 1872, com ** anos. 

A escritora de conta com uma vasta obra, de caráter enciclopédico. Entre as mais mais renomadas estão “Em Tempo de Guerra” (1918), “A Verdadeira Mãe” (1925), “Viagens Aventurosas de Felício e Felizarda” (1923), “A Grande Aliança” (1924), “Mundo Novo” (1927), “A Capela das Rosas” (1931), “O Príncipe das Maçãs de Oiro” (1935), e “Histórias Maravilhosas da Tradição Popular Portuguesa” (2 volumes, compilada somente em 1952); assim como várias publicações periódicas de destaque onde colaborou como: “A Ave azul”  (1899-1900), “Branco e Negro” (1896-1898), “Brasil-Portugal” (1899-1914), “A Leitura” (1894-1896), “Serões” (1901-1911), “A Farça” (1909-1910) e “Terra portuguesa” (1916-1927). Foi a primeira escritora destacada de literatura juvenil. 

Com uma vida muito agitada no ativismo organizado, participou Liga Republicana das Mulheres Portuguesas, colaborando para a publicação mensal da revista “A mulher e a criança”, sendo esta a imprensa oficial da Liga. Chegando a escrever, em 1905, “As Mulheres Portuguesas”, primeiro manifesto pela luta dos direitos democráticos das mulheres. Seguindo-se a criação da revista “A Sociedade Futura”, o “Jornal dos Pequeninos”, a sua integração no Grupo Português de Estudos Feministas e ainda, em 1908, com o apoio do político republicano António José de Almeida. 

Passou por diversas organizações, sempre militante de forma organizada, por toda a vida, colaborando em diversas revistas, jornais, panfletos e manifestos. Publicou diversas obras e artigos de carácter político e social, nomeadamente sobre o direito ao voto, à educação, ao trabalho e a importância da independência económica da mulher em caso de abandono ou viuvez, entre outros temas. Isto é, uma vida dedicada a luta da mulher no geral.  

Ana de Castro Osório, além de uma deixar uma vasta obra, mudando para sempre a literatura de língua portuguesa e a expandindo para o mundo, deu o exemplo de militância através da sua experiência no movimento das mulheres pelos seus direitos democráticos, tendo basicamente sua vida dedicada à literatura e a independência geral das mulheres. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas