Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Futebol

17/07/1994

O Brasil era campeão, apesar de tudo, o povo conseguiu ser feliz mais uma vez, a gente tinha conseguido pisar nas maiores potências imperialistas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Uma forma de esclarecer uma questão é citar exemplos práticos, que ilustram o debate. É o que resolvi fazer nesta coluna, para o Diário Causa Operária

Se algum leitor colocou no google a data acima deve ter visto uma série de acontecimentos, mas, o mais especial é a final da Copa do Mundo de 1994, na qual o Brasil foi campeão sobre a Itália, sagrando-se tetracampeão mundial.

O dia foi uma loucura total, o clima, para alguém novo, como era o meu caso, era totalmente desconhecido. Era como se as pessoas estivessem vivendo o momento do Réveillon durante o dia todo. Rojões, festa e muita animação aguardavam aquela final, que foi disputada à tarde, nos Estados Unidos, mas no fim da tarde e começo da noite no Brasil (16:30)

Os mais jovens estavam atordoados com tanta festa, especialmente alguém como eu, que nunca havia visto o Brasil vencer a Copa, mas adorava futebol, e era criança quando sofremos nos anos 1980, com as copas de 82 e 86, onde, alguns dizem, tínhamos a melhor seleção de todos os tempos, mas não levamos. Fora 1990, quando os argentinos nos tiraram a Copa. Ou seja, a expectativa era gigantesca em 1994, e tínhamos Romário, que, se tudo desse errado, poderia salvar o Brasil.

Enfim. Lembro apenas do meu pai, na hora das penalidades, já que ficamos no 0 x 0 durante o tempo regular e na prorrogação. Quando começam as penalidades, ele se retira da sala e (descobri mais tarde) foi fumar um cigarro com os demais vizinhos que não suportavam a disputa por pênaltis. Os corações poderiam parar a qualquer momento. Até hoje, por conta disso, eu mesmo não vejo penalidades. Aliás, vejo, mas não vejo. Alguém vai bater, eu desligo a TV, e ligo em seguida, para ver o que deu. Bem.

Assisti sozinho aqueles tirambaços nervosos. Itália começa:

Baresi erra, manda pra longe. Meia festa, mas não dura muito.

Márcio Santos erra, quase não chuta, e a bola vai para as mãos de Pagliuca.

Albertini acerta. Agora a pressão estava conosco.

Romário. Sempre frio, mandou a bola no canto direito superior de Gianluca Pagliuca. A bola pega na trave antes de entrar, e, no Brasil, todos caem no chão de alguma maneira, de puro nervosismo. 

Evani, bruto de tudo, bate forte, no meio. Acerta. Mais uma vez, pressão na nossa conta.

Branco, canhoto, manda no canto esquerdo de Pagliuca. Pênalti bem batido. 

Massaro bate mal, Taffarel pega. Mais uma vez, meia festa. À essa altura já estava todo mundo louco. No banco, todos vibram, Ronaldão, Gilmar “Cara de Cachorro”, Zetti, Ricardo Rocha e outras lendas do futebol dos anos 1990, como Raí. 

Dunga, capitão, bate bem e o goleiro nem sai na foto. Vibra, e o povo vibra com ele.

O próximo italiano é Roberto Baggio, que só é lembrado até hoje por conta desse fato. Ele prepara o chute e manda a bola para o espaço sideral. Seu erro resultou na vitória brasileira. 

Lá pelas tantas, Dunga levanta a taça sobre a cabeça, gesto imortalizado pelo xerife Bellini, em 1958, em nossa primeira taça mundial. 

Eu, de casa, em frente à Toshiba 12 canais (que sempre só funcionava 4), consigo ouvir uma verdadeira comoção se formando na rua. Saí para ver.

Estavam todos se abraçando, os copos de cerveja caíam, quebravam, ainda cheios. Fogos, gritos, sorrisos, lágrimas, uma loucura total. Vizinhos que havia anos que não se encontravam, também estavam na rua, se abraçando. Eu olhava aquela festa toda, feliz, mas ainda por entender a razão de tanta felicidade. Seguia a festa e abraçava meus amigos do futebol de rua.

O Brasil era campeão, apesar de tudo, o povo conseguiu ser feliz mais uma vez, a gente tinha conseguido pisar nas maiores potências imperialistas, até mesmo os donos da casa, os EUA, que perderam para o Brasil em um gol muito chorado. Itália, EUA, Holanda (e o gol de costas do Romário…), Suécia, todos no bolso.

Já no PCO, eu entendi tudo isso, toda essa alegria, e entendi a razão dos povos oprimidos torcerem para o Brasil nas copas. É a chance de ver os imperialistas serem derrotados. Eles, acostumados a massacrarem países e povos no mundo todo, no futebol, não, eles não conseguem se impor, por isso a festa.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.