Menu da Rede

Volta hoje o curso “Democracia, Revolução e Socialismo”

16 de março de 1968: centenas de civis vietnamitas são executados pelas tropas dos EUA no Massacre de My Lai

My Lay é o nome de uma aldeia no antigo Vietnã do Sul que foi vítima de um massacre realizado pelos soldados dos Estados Unidos durante a Guerra do Vietnã (1955-1975). Foi o maior massacre cometido por tropas norte-americanas no período em que eles estiveram naquele país asiático.

A operação teve origem numa suposta denúncia recebida pela Companhia Charlie, da 11ª Brigada da 23ª Divisão de Infantaria do exército norte-americano, de que a aldeia servia de refúgio para guerrilheiros vietcongues da FNL (Frente Nacional para a Libertação do Vietnã). Assim, sob o comando do tenente William Calley, integrantes de um dos pelotões seguiram em direção ao local.

Ao chegarem na aldeia, no dia 16 de março de 1968, o tenente Calley deu ordens para “limpar My Lay” e para “matar tudo o que se mexesse”. O resultado foi que, em apenas quatro horas, os animais foram mortos, choupanas foram queimadas, mulheres foram estupradas e mutiladas e os homens e as crianças foram executados. No local, foram encontrados 504 cadáveres. Todos eles estavam desarmados e, portanto, com pouca ou nenhuma condição de defesa e, no entanto, foram mortos a sangue frio.

Os relatos históricos apontam que houveram cerca de vinte sobreviventes. E esses, para conseguirem escapar com vida, tiveram que se fingirem de mortos, chegando, inclusive, a ficarem horas em meio aos cadáveres.

O massacre se encerrou por iniciativa do piloto de helicóptero Hugh Thompson Jr., que viu a matança do alto e fez um pouso, ameaçando atirar com as metralhadoras de sua aeronave contra os soldados de seu próprio país caso a operação continuasse.

Esse crime chegou a público um mês depois do ocorrido, através de denúncias oriundas do próprio exército norte-americano, até o gabinete do então presidente dos EUA, Richard Nixon, e aos diversos órgãos de imprensa. Jornalistas independentes, por sua vez, tiveram acesso a fotos das execuções e tornaram o caso conhecido em todo o mundo, causando pavor e indignação do grande público, fazendo com que a população dos Estados Unidos pressionasse o presidente Nixon a retirar as tropas americanas do Vietnã.

Em 1970, 25 soldados foram indiciados por crimes de guerraocultação de fatos e provas. Apenas o tenente Calley foi indiciado e julgado, recebendo condenação à prisão perpétua. Porém, foi perdoado dois dias depois da divulgação da sentença, e recebeu uma pena alternativa de três anos e meio em prisão domiciliar.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.