Dia de Hoje na História
Neste dia em que 20 mil jovens protestaram contra o horrendo regime do apartheid, a polícia atacou a manifestação com balas de chumbo e matou provavelmente centenas de estudantes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
SA
Hector Pieterson, um garoto de 13 anos, assassinado pela polícia sendo carregado por um companheiro | Sam Nzima

No dia 16 de julho de 1976 aconteceu o massacre de Soweto na África do Sul, em que centenas de pessoas foram assassinadas durante protestos contra a ditadura do Apartheid. Os estudantes se levantavam contra a nova medida de repressão que impunha a língua Afrikaans, que apesar do nome é europeia, como o idioma oficial das escolas substituindo as línguas nativas da cidade de Soweto como o Zulu, o Tsoto e o Tswana. Apesar de governo afirmar que houve apenas 23 mortes as estimativas vão de 126 até 700 pessoas que perderam suas vidas.

A África do Sul foi um dos poucos países do continente que sofreu um processo de colonização de povoamento, mais semelhante àquele dos EUA do que o do Brasil. Primeiro os Holandeses e depois os Ingleses saquearam as terras das populações nativas e se estabeleceram lá, por isso até os dias de hoje é o país com a maior população branca da África, que mesmo assim compõe apenas 8,7% do total. Mesmo sendo uma pequena minoria essa população controlava completamente o país explorando e oprimindo totalmente a população negra nativa.

Após a independência da Inglaterra em 1910 realizada pela elite branca local a opressão dos negros não diminuiu, pode-se dizer que até aumentou visto que em 1948 se iniciou oficialmente o regime do Apartheid em que a segregação racial foi estabelecida como lei. Enquanto a população branca vivia em uma pequena suíça dentro da África a maior parte da população vivia em extrema miséria, foram criados guetos oficiais para a população negra chamados de Bantustões enquanto os brancos viviam nas melhores cidades e possuíam as melhores terras.

Não só isso como esse regime fascista se tornou a base de apoio do imperialismo na África que lutava contra os movimentos de libertação de vários países. O caso mais emblemático foi quando os exércitos sul africanos invadiram Angola em 1975 após sua libertação de Portugal, o MPLA, Movimento Popular de Libertação de Angola, que havia conquista o poder pediu ajuda a Cuba. A população, afro cubana em maioria, numa real demonstração de internacionalismo proletário formou batalhões e foi para Angola levando a primeira derrota ao exército imperialista invasor que começou a recuar a partir desse momento.

Foi nessa conjuntura de ebulição, poucos anos após a independência de países fronteiriços como Angola e Moçambique e durante a guerra pela independência ainda do Zimbabwe, que também tinha um regime de Apartheid, que os estudantes se levantaram em Soweto na região metropolitana da rica cidade de Johanesburgo. O Afrikaans era a identificada com o regime do apartheid e estava sendo imposta desde 1975, por isso os estudantes da escola Orlando West entraram em greve, o movimento foi se espalhando e no dia 13 de junho o comitê de ação que havia se formado convocou uma grande mobilização para o dia 16.

Nesse dia 20 mil estudantes negros marcharam em protesto em direção ao Estádio Orlando, a polícia fez de tudo para impedir o protesto com um grande aparato de repressão. Após algum alvoroço durante o ato os policiais começaram a atirar nas crianças matando várias logo no princípio, a partir desse momento a cidade inteira entrou em uma mobilização radical que não teve capacidade de resistir aos fuzis das forças de repressão, centenas morreram ao longo do dia. A perseguição foi tão intensa que não contentes em matar o povo os policiais invadiram hospitais tentando criminalizar todos com ferimentos de bala para que caso se recuperassem ainda pudessem ser punidos.

A partir do dia 17 às mobilizações se espalharam por todo o país com a adesão de estudantes brancos e também dos trabalhadores negros que realizaram diversas greves, a repressão foi intensa em todo o período e mais algumas centenas de pessoas foram assassinadas até o fim do ano, que teve muitas mobilizações. O Congresso Nacional Africano, partido de Nelson Mandela (ainda preso), ganhou cada vez mais força a partir desse momento e o Apartheid entrou em seu período de crise, mas ainda demorou quase 20 anos para de fato acabar.

Esses acontecimentos reverberaram no mundo inteiro, tornando famosa a foto do corpo de Hector Pieterson, um garoto de 13 anos, assassinado pela polícia sendo carregado por um companheiro. Apesar da data marcar atualmente o “dia da juventude” no país, na verdade é um dia da luta da juventude e do povo negro, não só da África do sul como de todo o mundo, contra a opressão capitalista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas