Dia de Hoje na História
Soldados americanos massacraram 500 aldeões sul-vietnamitas no episódio de My Lai, durante a intervenção imperialista no Vietnã
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
vietna
Foto reprodução |

No dia 16 de março de 1968, soldados americanos perpetraram o massacre de My Lai contra aldeões sul-vietnamitas, todos civis e em sua esmagadora maioria mulheres e crianças.

My Lai era o nome de uma aldeia vietnamita, localizada no de Sơn Tinh na província de Quảng Ngãi, região sul do território do país asiático.

O Exército dos Estados Unidos recebeu denúncias de que, na aldeia My Lai, havia apoio e refúgio para as forças da Frente Nacional de Libertação do Vietnã (FNL) proporcionado pelos moradores. Segundo as denúncias, pela manhã os moradores da aldeia iam para o mercado comprar comida, e os que ficassem seriam membros da FNL ou simpatizantes.

Um dos pelotões da companhia Charlie, 11a brigada da 23a Divisão de Infantaria, sob comando do Tenente Wiliam Calley, foi enviado à aldeia com a ordem de “limpar My Lai” e “matar tudo o que se mexesse”. Como consequência do cumprimento destas ordens, emanadas do comando das forças americanas, foi executado um massacre que, em apenas 4 horas, matou todos os animais, queimou as choupanas, estuprou e mutilou mulheres, assassinou crianças e idosos e trucidou com os homens. Estima-se que 500 aldeões foram assassinados neste episódio. Aldeões tiveram que se fingir de mortos e se esconderem entre os corpos para sobreviver.

O massacre veio a público cerca de um mês depois. As fotos e relatos horríveis do episódio, divulgados por soldados participantes e jornalistas, causaram uma comoção internacional, o que aumentou o repúdio internacional à intervenção americana no Vietnã e gerou intensos tumultos nos Estados Unidos, em particular por setores da juventude, que reivindicavam a retirada dos americanos do país asiático.

Em março de 1970, 25 militares americanos foram processados por crime de guerra e ocultação de cadáveres no caso do massacre de My Lai. Destes, somente o tenente William Calley, comandante do pelotão, foi condenado à prisão perpétua. Contudo, dois dias após a divulgação da sentença, Calley foi perdoado pelo presidente Richard Nixon, e teve sua pena comutada para o cumprimento de três anos e meio em prisão domiciliar em uma base militar na Geórgia. Nenhum membro do alto-comando das Forças Armadas, seja general, oficial superior ou oficial intermediário que autorizaram a operação ou os praças que a executaram jamais foram julgados e condenados. Os políticos burgueses que promoveram a guerra, massacrando uma população inocente de um país distante, pobre e atrasado, também jamais foram julgados e condenados.

My Lai foi mais um no rol de crimes monstruosos do imperialismo norte-americano cometidos durante a intervenção no Vietnã. A resistência prolongada do povo vietnamita, que teve enormes custos humanos e materiais, foi minando as forças americanas que, derrotadas,  retiraram-se integramente do país em 1975.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas