15 neonazistas são presos em protesto na Suécia

No último sábado (13), um grupo de 15 neonazistas foi preso durante um protesto em Gotemburgo, cidade portuária que está entre as principais cidades da Suécia. Houve uma manifestação contrária aos nazistas no mesmo local e um manifestante antifascista foi ferido. A polícia sueca reprimiu a manifestação da extrema-direita sob a alegação de que não havia permissão para realizar o ato.

O grupo responsável pela manifestação foi o Movimento de Resistência Nórdico (NMR, na sigla em sueco). O NMR tem um programa nazista e defende uma revolução no norte da Europa, que inclua a Suécia, Noruega, Finlândia e Dinamarca como uma única nação. Diversas lideranças do agrupamento fascista já foram presas. Como outros grupos de extrema-direita por toda a Europa, o NMR já tem representação parlamentar, embora ainda seja muito modesta: um vereador.

O surgimento na Europa de grupos como o NMR e seu crescimento são uma expressão da crise dos regimes políticos imperialistas. Os principais partidos desses regimes estão em crise, com a esquerda do regime apoiando programa econômicos neoliberais. Com a crise econômica, a extrema-direita tem capitalizado o fato de que aparece como verdadeira oposição ao regime da burguesia.

Em setembro, também em Gotemburgo, centenas de membros do NMR realizaram um protesto na cidade que durou horas, marcado por longos confrontos com a polícia. Um protesto em que os neonazistas demonstraram ter um certo apoio. Uma tendência que tem se repetido por toda a Europa no marco da crise capitalista, que se aprofundou a partir de 2008.