Cai o Império
No dia 15 de novembro de 1889, exatos 130 anos atrás, Marechal Deodoro da Fonseca proclamava a República
Proclamação_da_República_by_Benedito_Calixto_1893
"Proclamação da República" (1893) óleo sobre tela de Benedito Calixto. Reprodução. |

A proclamação da república veio de um longo processo de desgaste político da monarquia. Foram várias revoltas, a Guerra do Paraguai, as tentativas fracassadas de criação da república anteriores, e sobretudo, a luta dos negros contra a escravidão, obrigaram o regime político brasileiro a dar um passo adiante.

Embora possamos considerar que houveram outras tentativas anteriores ao século XIX de derrubar a monarquia, a partir do processo de independência do Brasil temos no mínimo outras três tentativas de instaurar um regime republicano, sem contar as inúmeras revoltas, insurgências, levantes e guerras que se sucederam em um curto espaço de tempo em todo território nacional até culminarem no fatídico dia 15 de novembro.

Um fator importante a ser analisado quando se trata do período de agonia do Império brasileiro é a Guerra do Paraguai. A campanha não somente levantou um setor do exército brasileiro contra o imperador, como fustigou a luta dos negros contra a escravidão. Logo após a guerra, que terminara em 1870, surgira no mesmo ano o manifesto republicano, e três ano após a Conferência de Itu que fundaria o Partido Republicano Paulista.

A luta abolicionista tomou um novo rumo com a volta dos negros que serviram ao exército na esperança de conseguir a alforria prometida pelo imperador, e viram a liberdade prometida sendo negada. O escravos se revoltavam em todo o país.

No final do século XIX os levantes abolicionistas tomavam conta do país inteiro. A criação de quilombos se multiplicou rapidamente, e grupos organizados de escravos rebeldes guerreavam contra os donos de terra para libertar seus companheiros. Essa movimentação foi ganhando força e arrebanhando diversos setores populares e progressistas da sociedade, desestabilizando completamente o regime, botando de joelhos o principal setor que sustentava o império, os latifundiários, de modo que um ano antes da proclamação, não tiveram outra escolha se não tentar contornar o problema com a Lei Áurea. Não se trata de um mero acaso essa lei vir um ano antes da proclamação da república.

Em 1889, pendurados por um fio, as duas principais figuras políticas do império tentam manobrar para dar sobrevida ao regime: Gastão de Orleans, Conde D’Eu, e Visconde de Ouro Preto. No mês de julho, o último a ser mencionado tentou contornar o problema com uma reforma política, porém foi rejeitada na Câmara Geral.

Convencido em cima da hora a apoiar a República, o monarquista Marechal Deodoro movimentou um pequeno destacamento armado na capital do país, que tomou conta do gabinete do primeiro-ministro, Visconde de Ouro Preto, no Paço Imperial.

Na mesma noite, na Câmara Municipal redigiu-se a proclamação oficial. O redator era José do Patrocínio, jornalista, escritor e militante abolicionista. No dia seguinte as gráficas já haviam impresso inúmeras cópias que circulavam pelo país declarando a República dos Estados Unidos do Brasil.

Relacionadas