Dia de Hoje na História
A direita organizou as eleições de 1977, com o objetivo de salvar o regime político herdado da ditadura franquista e impedir uma revolução popular.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
15jun17b
Eleições de 1977: fachada democrática para as instituições herdadas do franquismo | Reprodução

O regime fascista na Espanha, o franquismo, chegou ao poder após a derrota das forças da Frente Popular na guerra civil (1936-1939). Por cerca de 35 anos, o franquismo manteve o país imerso em uma sangrenta ditadura burocrático-militar, que abafava a vida política e cultural, mantinha uma estreita vigilância sobre a população, reprimia qualquer tentativa de contestação por meio da atuação da polícia política e excluía a esquerda e as organizações sindicais da participação na vida política do país. O regime era reconhecido como um dos mais atrasados da Europa.

Com a crise do regime franquista na década de 1970, a direita franquista procura organizar a abertura política, porém de forma a manter o controle sobre os elementos fundamentais do regime político. O Real Decreto 20/1977 estabelece eleições para as Cortes, composta pela Câmara dos Deputados e Senado. Com a finalidade de prevenir a queda do regime por meio de uma revolução popular, como estava ocorrendo em Portugal, o imperialismo promove eleições gerais em que a esquerda podia participar. Contudo, as instituições da ditadura permanecem inalteradas.

A direita franquista se reorganiza no partido político União do Centro Democrático (UCD) e obtém quase a maioria das cadeiras no parlamento com 165 deputados e 33% dos votos. O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) fica em segundo lugar, com 118 deputados e  29,32% dos votos. O Partido Comunista da Espanha (PCE) consegue 20 deputados e 4,46% dos votos. Vários partidos nacionalistas, como os partidos catalães e vasco, conseguem representação parlamentar.

O regime político passa a permitir a participação da esquerda, mas mantém sua forma e as instituições herdadas da ditadura, inclusive a monarquia que fora restaurada por Franco. A Espanha de hoje é resultado da traição da esquerda, que convive como um regime extremamente reacionário e antidemocrático. A questão do separatismo, em especial o catalão, é alvo de forte repressão pelo governo de Madri, que mantém a Catalunha e diversas outras regiões integradas pela força ao território espanhol. O enfraquecimento da esquerda é reflexo dessa transição pactuada, onde as alavancas fundamentais foram preservadas nas mãos dos antigos carrascos da ditadura franquista.

As eleições gerais de 1977 foram uma armadilha para a esquerda, de maneira passar a impressão de que o povo poderia escolher, porém dentro dos marcos das instituições herdadas do franquismo. A direita franquista conseguiu, com o apoio da esquerda, mudar de pele e se declarar como democrata.

 

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas