Dia de Hoje na História
O I Congresso Operário Brasileiro foi um marco na história da classe operária
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Foto: Reprodução. |

Entre 15 e 20 de abril de 1906 realizara-se um congresso que marcaria a história da classe operária. Organizado no Rio de Janeiro, o evento lotou a rua da Constituição, Centro. À época, o movimento operário reivindicava a redução da jornada de trabalho, melhores condições de trabalho e aumentos salariais.

Embora o modelo econômico ainda fosse substancialmente agroexportador, com uma população urbana crescente recém saída de uma sociedade escravocrata e com restrita participação política, a intermitente industrialização, composta de trabalhadores nativos, somada à experiência sindical – dos imigrantes europeus, principalmente italianos, espanhóis e portugueses, dava novos ares ao país. Das greves de 1903, no Rio de Janeiro, revelou-se a necessidade de um órgão capaz de coordenar o movimento das diversas categorias da classe trabalhadora. Neste mesmo ano, surge a Federação das Associações de Classe – inspirado no sindicalismo de Émile Pouget, então secretário-geral da CGT francesa. Além da influência da CGT, a Federação Operária Regional Argentina (FORA) – com profusa influência anarco-sindicalista. Essa influência, portanto, levaria ao Congresso, em 1906.

O evento contou com a presença de 43 delegados e 28 sindicatos. A primeira questão a ser discutida foi acerca da neutralidade dos sindicatos. Deduziu-se daí, que o interesses econômicos da classe operária eram a única base sólida de acordo e de ação. Por conseguinte, foi decidido que o Primeiro de Maio deveria ser um dia de protestos e não um dia festivo. Se entre 1850–1900, as sociedades mutualistas, associações, uniões e círculos compreendiam o grau de desenvolvimento do movimento operário, entre 1900–1930, houve um intenso aumento dos sindicatos; período este marcado pela formação de centrais sindicais [COB – Central Operária Brasileira (1908)] e confederações operárias. Surgiria daí as primeiras comissões de fábricas – organizações por local de trabalho, internas à empresa. O evento representava um marco não somente no amadurecimento da classe operária, mas na transformação do caráter ideológico do movimento operário. Naquele momento, além das correntes trabalhista, dos socialistas revolucionários e reformistas (1889–1990), entravam os anarco-sindicalistas (maioria) e os sindicalistas cristãos tradicionais (1900 e 1920).

O I Congresso Operário Brasileiro foi um marco na história da classe operária. Na ocasião, o internacionalismo sindical refletia, de acordo com o grau de maturidade das organizações operárias, as constantes transformações de base econômica no seio da classe trabalhadora.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas