Dia de hoje na História
Somado ao massacre da população colonial na 2ª Guerra Mundial, a revolta angolana se levanta de uma greve por condições dignas de trabalho
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
angola (1)
Fotografia: Kindala Manuel |

15 de março de 1961 ficou marcado na História como “o dia em que o Norte de Angola ardeu”, estampando todas as capas de jornais do país e alguns no mundo. 

Após toda a destruição da Segunda Guerra Mundial, um massacre da burguesia imperialista mundial contra as classes operárias de seus países – e de outros -, com a finalidade de redefinir o mapa mundial mais uma vez, a Organização das Nações Unidas (ONU) considerou “acabar” com os sistemas coloniais e “recomendou” a todos os seus Estados-membros que considerassem esta recomendação. 

O massacre das populações oprimidas foi tão brutal, que os povos colonizados reclamavam independência, porém, os colonizadores imperialistas ignoravam os levantes, organizando, inclusive, mais massacres pelo Globo. Somado a isso, a classe operária e camponesa se organizava em diversos pontos do mundo em revoluções e revoltas, mas com características diferentes do continente africano.

Sobre a África, desde a década de 1940, haviam vários movimentos. Em 1954 se criou em Léopoldville, no então Congo Belga, a União dos Povos do Norte de Angola (UPNA). Quatro anos depois, em 1958, no Congresso dos Povos Africanos, realizado em Accra, no Gana, Álvaro Holden Roberto (dirigente nacionalista angolano e líder de um movimento considerado terrorista durante a Guerra Colonial portuguesa) tomou conta do movimento político, alterando o nome para União dos Povos  de Angola (UPA), e tentando retirar o componente tribal que ostentava até aí, transformando-o no Movimento Político Angolano mais bem organizado.

A região de Luanda era palco de movimentações clandestinas levadas a cabo por vários grupos de angolanos que reivindicavam a independência de Angola, armados ou não, entre os quais se conta o Partido da Luta Unida dos Africanos de Angola (PLUA) de 1953, seguindo-se-lhe o Partido Comunista de Angola (PCA) de 1955. 

Na fase de união e avanço da luta independentista, em 1956, estes dois últimos grupos se fundem dando lugar ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA). 

Chegando em 1961, é encabeçada uma greve em janeiro, onde um grupo de trabalhadores da empresa produtora de algodão COTONANG protesta contra o atraso no pagamento dos salários e pelas duras condições de trabalho que os patrões – ligados ao imperialismo português – impunham. O grupo de grevistas aumentava a cada dia, acarretando uma resposta enérgica do governo de Lisboa, que ordena a intervenção das forças armadas portuguesas, a força aérea, para os repelir. Lembrando que os países africanos são extremamente pobres, logo, esses verdadeiros escravos dos capitalistas, mal tinham um facão, uma enxada, e os “grandes democratas” enviam misseis e tropas fortemente armadas para conte-los. É essa a democracia dos países europeus e dos EUA.

A repressão brutal – e típica dos países capitalistas contra suas colônias -, resultou em um massacre de trabalhadores, cujo número de assassinatos nunca foi divulgado pela imprensa burguesa.O genocídio sobre os trabalhadores angolanos foi o ascender do rastilho que fez eclodir a luta de libertação nacional.

Em 15 de Março, a UPA (União dos Povos de Angola), que até então convivia com opositores internos contra a luta armada, decidiu por iniciar diversos ataques no Norte de Angola, visando esquadras policiais, postos administrativos e fazendas de colonos portugueses que ali escravizavam os angolanos. A ação gerou a morte de centenas de colonos nos Dembos, Nambuangongo, Kwanza Norte e na fronteira com a atual República Democrática do Congo. A partir deste dia, a UPA desencadeou uma sublevação geral na região Norte de Angola, desde São Salvador (Zaire) até Luanda, passando por Uíge, Dembos e Kwanza Norte.

A natureza violenta de resposta das massas oprimidas por séculos de genocídio, fez com que António de Oliveira Salazar se reivindicasse justiceiro ao lançar a repressão sobre qualquer Movimento Nacionalista e as populações indefesas angolanas, enviando assim, destacamentos militares para o território ocupado pela UPA. 

Ficou célebre a frase pronunciada por Salazar nessa ocasião: “Para Angola todos e em força”. A UPA (União dos Povos de Angola) foi a primeira organização a iniciar as hostilidades armadas.

A contra-resposta do imperialismo foi ainda mais violenta e indiscriminada, quando os colonos brancos portugueses, polícia e a PIDE, tomaram um caráter indisfarçado e compensatório de “caça ao preto”. A revista TIME denunciou na época que em Luanda, “vigilantes civis portugueses realizaram batidas nos subúrbios e nos muceques de São Paulo, Sambizanga, Cazenga e outros bairros periféricos, em busca de supostos depósitos de armas, e mataram indiscriminadamente a tiro 35 angolanos”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas