14 de maio de 1955: Estados Operários do Leste Europeu assinam o Pacto de Varsóvia para se proteger do imperialismo

pacto

Na cidade de Varsóvia, capital da Polônia, no ano de 1955, os Estados Operários do Leste Europeu (Polônia, República Democrática Alemã, Tchecoslováquia, Hungria, Romênia, Bulgária, Albânia) e a União Soviética criaram o Pacto de Varsóvia, uma aliança militar que tinha por objetivo a defesa contra uma possível agressão do imperialismo mundial. Este último criara, em 1949, a Organização Tratado do Atlântico Norte (OTAN), para projetar seu poder militar e influência política sobre todos os países, liderado pela potência dominante, os Estados Unidos.

O Pacto de Varsóvia estabelecia que uma agressão militar a qualquer Estado-membro seria considerada uma agressão ao conjunto. O imperialismo mundial tinha uma política agressiva, embasada na doutrina de contenção do comunismo, o que colocava em primeiro plano intervenções em outros países. Assim sendo, a necessidade de proteção dos Estados Operários e da URSS contra a agressão imperialista era real.

Os Estados Operários do Leste Europeu membros do Pacto eram satélites da burocracia soviética. Moscou controlava os países-membros e atuava em prol de seus interesses nacionais. Para manter o controle político sobre estes países, quando a situação ameaçou sair fora de controle, as tropas do Pacto de Varsóvia invadiram a Polônia e a Hungria para sufocar as revoltas da classe operária contra as burocracias stalinistas em 1956.

O mesmo aconteceu com a invasão da Tchecoslováquia, no ano de 1968, no episódio da Primavera de Praga, onde a revolta operária foi sufocada pelas tropas do Pacto de Varsóvia, comandadas por Moscou.