Dia de Hoje na História
A Liga das Nações foi a precursora da Organização das Nações Unidas, corpo dominado pelo imperialismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Registro da 1ª reunião da Liga das Nações | Foto: Reprodução

A chamada Liga das Nações, conhecida também como Sociedade das Nações, foi fundada em 28 de abril de 1918, por iniciativa quase total do governo norte-americano, através do presidente Woodrow Wilson, e foi apresentada como sendo uma instituição para trazer a paz para o mundo, após a 1ª Guerra Mundial. Muito embora os EUA seja a potência que mais patrocinou guerras pelo mundo, até hoje. 

Finalmente, a Revolução de Outubro tinha acabado de acontecer na Rússia (1917), e a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) sequer foi convidada para fazer parte da Liga. Segundo o alegado, a URSS tinha a proposta de levar a revolução para outros países e por isso não poderia ser aceita na Liga das Nações.

Tão somente com a ascensão da burocracia stalinista no controle da URSS, na pessoa de Josef Stálin, a URSS foi aceita na Liga, isso em 1934, quando já não havia mais a política da revolução internacional outrora defendida pelos bolcheviques. (Essa questão, do stalinismo, será abordada, em todos os seus detalhes, na 46ª Universidade de Férias do PCO, veja mais aqui: https://universidademarxista.pco.org.br/

Finalmente, a URSS ficou somente cinco anos na Liga das Nações, sendo expulsa em 1939, em 14 de dezembro, em razão de ter invadido a Finlândia, em outubro daquele ano, para garantir base militar naquele país e, assim, aumentar seu poderio diante da 2ª Guerra Mundial, que acabara de se iniciar. Antes disso, a Itália fascista e a Alemanha nazista haviam se retirado da Liga ainda 1937 e 1933, respectivamente. O Japão também se retirara em 1933.

Tratou-se de uma verdadeira hipocrisia imperialista a expulsão da União Soviética. Primeiro, o imperialismo aceitou o ingresso de Moscou, no momento em que a burocracia stalinista havia entrado em um acordo com as potências “democráticas” através de tratados com França e Inglaterra e o estabelecimento das frentes populares – unidade dos partidos controlados pelo Crêmlin com as burguesias imperialistas, colocando o movimento operário à reboque dos capitalistas a fim de estrangular seu potencial revolucionário. Depois, diante do acordo criminoso entre Stálin e Hitler, em 1939, o chamado Pacto de Não-Agressão Germano-Soviético, ou Ribbentrop-Molotov (os ministros do Exterior dos respectivos países), o imperialismo percebeu a aliança dos nazistas com o stalinismo e expulsou a URSS da Liga das Nações. Foi, na verdade, uma expulsão política, em que a invasão da Finlândia foi apenas uma desculpa – Inglaterra, França e EUA já haviam invadido dezenas de países e, obviamente, não foram expulsos da Sociedade, até porque eram eles que a controlavam.

A Liga das Nações encerra seus trabalhos em 20 de abril de 1946, dando origem à Organização das Nações Unidas, que existe até hoje, e é uma organização internacional para a manutenção dos interesses do imperialismo ao redor do globo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas