Ditadura Militar
Hoje faz 52 anos da implatação do AI-5, o instrumento que abriu caminho para o uso da tortura e do assassinatos como instrumento político no Brasil
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ditadura
A ditadura militar brasileira de 1964 a 1985. | Apologia Ao Conhecimento
ditadura
A ditadura militar brasileira de 1964 a 1985. | Apologia Ao Conhecimento

Em outubro de 2019 o deputado federal Eduardo Bolsonaro sugeriu em entrevista a necessidade de um novo AI-5 no Brasil, o que gerou forte repercussão. Imediatamente seus apoiadores passaram a repetir a defesa do AI-5 enquanto os opositores ao governo atacavam a fala do deputado. Resta saber se tanto os que apoiam Bolsonaro como os que o combatem sabem o que realmente foi o AI-5. No dia em que a medida completa 52 anos trazemos esta discussão para as páginas do DCO, na esperança de que conhecendo a História, possamos evitar sua trágica repetição.

Em 13 de dezembro de 1968, o governo do ditador Costa e Silva, através de seu ministro da justiça, Luís Antônio da Gama e Silva, e sob a alegação de que precisava combater a corrupção disseminada na política, editou o quinto ato institucional de um total de dezessete editados nos 21 anos de ditadura. Os Atos foram a forma que o regime encontrou de legislar sem a interferência do Congresso Nacional e sem a possibilidade de revisão do Judiciário. O AI-5 foi o mais duro de todos e representou uma mudança drástica no regime que a partir dele institucionalizou a perseguição e a tortura como métodos políticos.

O Ato Institucional número 5 deu poderes ao presidente da república de fechar o Congresso Nacional e as Assembleias Legislativas, o ocorreu imediatamente após a sua assinatura; permitiu a cassação de mandatos em âmbito federal, estadual e municipal; suspendeu os direitos e garantias individuais, como por exemplo o direito a habeas corpus por crimes de motivação política; introduziu a censura prévia na música, cinema, teatro e televisão; tornou ilegais reuniões políticas não autorizadas pela polícia e chegou a introduzir o toque de recolher.

As consequências do AI-5 foram, além do fechamento do Congresso, a cassação de todas a esquerda, a demissão e prisão de funcionários públicos, prisões ilegais, tortura e assassinatos que marcou toda uma geração de brasileiros.

O AI-5 vigorou até 13 de outubro de 1978, quando em meio a grandes atos de revolta contra o regime, o governo de Ernesto Geisel foi obrigado a promulgar a emenda constitucional nº 11 que revogava todos os atos institucionais e complementares que fossem contrários à Constituição Federal. A derrubada do mais duro instrumento legal da ditadura deu fôlego ao regime já sufocado por uma crise desde 74, mas não impediu sua queda 6 anos mais tarde.

A ditadura militar brasileira foi a única na América Latina que terminou sem que houvesse o que os juristas chamam de “Justiça de Transição”, uma apuração dos crimes contra a humanidade cometidos pelo regime e o julgamento e condenação dos responsáveis. Pelo contrário, antes de cair o regime promulgou a Lei da Anistia que garantiu a impunidade de todos os crimes cometidos pela ditadura. O resultado disso é que rapidamente os crimes caíram no esquecimento e passados pouco mais de 3 décadas, assistimos perplexos um deputado federal defender, impunemente, o instrumento que lançou o pais no período mais obscuro de sua História.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas