Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
greve profs
|

No dia de hoje, em mais de 100 cidades, de todas as regiões do País, estão ocorrendo mutirões pela anulação dos processos fraudulentos da criminosa operação Lava Jato e pela liberdade de Lula, assim como de todos os presos políticos.

Ao longo da semana foram dezenas de atos realizadas por organizações de esquerda em defesa dos direitos democráticos e até por torcidas de futebol, entre outros, contra a intensificação do regime ditatorial imposto pelo golpe de Estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff, do qual o governo ilegítimo de Jair Bolsonaro é a continuidade.

Congresso dos trabalhadores, como o dos bancários do BB, aprovam resoluções pela liberdade de Lula e pela derrota de Bolsonaro nas ruas. Diante dos massacres contra sem terras e indígenas, cresce também a radicalização no campo.

Em meio a tudo isso, a crise econômica não para de crescer, empurrada pela situação internacional de crise histórica do capitalismo e pela política de devastação da economia nacional dos golpistas, o que ameaça aprofundar – como nunca – a miséria de dezenas de milhões de brasileiros . É evidente que, em tais condições, a política de esperar, de buscar um acordo com setores da burguesia golpista, de esperar uma tomada de posição progressista da burguesia que derrubou Dilma, que prendeu Lula, que apoiou a fraude nas eleições etc. é uma política “sem pé nem cabeça”, que não aponta nenhuma alternativa para os trabalhadores.

As organizações de luta dos professores e estudantes estão convocando, junto com a CUT, um importante dia de luta, no próximo dia 13. É preciso impulsionar essa mobilização. Apontar no sentido da retomada das grandes mobilizações de maio (15 e 30) e junho (greve geral do dia 14) e apontar no sentido da superação da política de derrotas de semear ilusão de que seja possível uma vitoria dos explorados por dentro das instituições do regime golpista, como o judiciário e o Congresso Nacional, dominados e controlados pelos setores golpistas.

É preciso ir aos locais de trabalho, estudo e moradia, convocar uma ampla mobilização, expondo claramente que ela deve se unir em torno de um eixo claro, que representa uma verdadeira alternativa para os trabalhadores e a maioria do povo brasileiro: a luta pelo fim do governo Bolsonaro, pelo “fora Bolsonaro e todos os golpistas”, pela conquista de novas eleições, eleições gerais, livres e democráticas. O que só pode ser conquistado com a classe operária e demais setores dos trabalhadores tomando as ruas, impondo sua força contra a força do imperialismo e de setores do grande capital que apóiam Bolsonaro.

Dia 13, tomar as ruas, pelo “fora Bolsonaro” e pela liberdade de Lula.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas