Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
piedade-rugendas
|

Há 221 anos, em Salvador, um grupo de revolucionários liderados pelo médico e filósofo Cipriano Barata distribuiu panfletos nas portas das igrejas conclamando a uma insurreição popular pela independência de Portugal, proclamação da República e libertação dos escravos, abertura dos portos. A sedição seria traída e brutalmente reprimida pela Coroa portuguesa, com execução de alguns de seus líderes. O episódio também ficaria conhecido como Conjuração bahiana, Revolta dos Alfaiates ou Revolta dos Búzios.

No final do século 18, a cidade e a Capitania da Bahia como um todo vivenciava uma crescente crise política. Se a mudança da capital da América Portuguesa de Salvador para o Rio de Janeiro em 1763 reduzira a capacidade administrativa da metrópole no local, o comércio da cana-de-açúcar e do tabaco estava aquecido, dando mais poder às oligarquias locais.

Além disso, iniciara-se um novo e definitivo ciclo das revoluções burguesas, com a independência das colônias inglesas e a Revolução Francesa, os ideais republicanos espalhavam-se também no Brasil, conforme a própria Inconfidência Mineira, ocorrida dez anos antes, atestava. Livros como as obras de Voltaire ou a Encyclopédie de Diderot e D´Alembert circulavam ilegalmente nas camadas letradas da sociedade colonial, como o clero, a burguesia, os militares.

Na Bahia não foi diferente, e a crise política culminou na eclosão da insurreição, primeiro com onze panfletos colados em locais de grande movimento público da capital, Salvador. Um deles vaticinava: “Animai-vos Povo baiense que está para chegar o tempo feliz da nossa Liberdade: o tempo em que todos seremos irmãos: o tempo em que todos seremos iguais” – escrito talvez por um dos principais líderes, o ilustrado fazendeiro formado em Coimbra, Cipriano Barata (1762-1838). A principal base popular da revolta, porém, eram os milicianos recrutados à força com baixos salários para servir à repressão da Coroa, bem como a pequena burguesia local, oprimida pelos altos impostos e pelas leis restritivas ao comércio.

Sem capacidade de organização efetiva, mal-armados, denunciados por membros do próprio movimento, os inconfidentes acabaram debelados e condenados. Centenas de pessoas foram denunciadas, 49 foram presas, quatro líderes considerados menores – negros, mulatos, pobres – foram condenados à morte e enforcados em 8 de novembro de 1799. Muitos de seus dirigentes, porém, se manteriam politicamente ativos. O próprio Barata participaria da revolta republicana de Pernambuco em 1817 e seria deputado constituinte nas Cortes de Lisboa em 1821, pugnando sempre pela liberdade da colônia.

As insurreições da pequena-burguesia ilustrada no Brasil do final do século 18 mostra as limitações dos movimentos revolucionários carentes de organização e base popular, ou apoio real de verdadeiras forças políticas. Não bastam ideias para derrubar a classe dominante, para libertar o povo do jugo opressor. É necessário ter à mão forças reais capazes de dar combate à reação.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas