Dia de hoje na história
Um dos mais importantes ativistas nacionalistas de Porto Rico, e que empreendeu forte luta contra o imperialismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
albizu_campos
Pedro Albizu Campos com Luiz F. Velásquez à esquerda e Juan Antônio Corretjer à direita | Fotógrafo desconhecido - https://www.harvardsquareneighborhood.org/blog/pedro-albizu-y-campos-and-laura-meneses-in-cambridge-1913-1922-by-brad-bellows

Pedro Albizu Campos nasceu entre 12 de setembro de 1891 e 21 de abril de 1965, marcados como seu nascimento e morte. Esses foram os anos do século seguinte ao da onda revolucionária que tem origem do final do século XVIII seguindo as primeiras décadas do século XIX, tais como a Revolução Francesa, Revolução Americana, por exemplo, e que revelam a insurreição burguesa desses povos contra a colonização de Corôas como a Inglesa, a Espanhola, e a Francesa, inspirados por um ideário iluminista, e liberal.

Nessa época, especialmente em Porto Rico e Cuba, ambas sob a influência da Coroa Espanhola ainda, que se iniciarão os primeiros movimentos contra a Coroa e também contra a escravidão. Toda a região do entorno, está sob forte domínio de uma economia de exploração marcada pela agricultura – cultura da cana de açúcar – e a mão de obra escrava. Enquanto Cuba, por conta de uma população do campo mais expressiva e um direcionamento mais militaristas, vai tomar um caminho socialista e buscar sua independência em meados do novo século que se inicia, Porto Rico vê sua insurreição abafada pela Coroa Espanhola, e caminha mais com as ideias liberais, sendo dessa mesma época, a fundação do partido liberal, que depois vai se chamar Partido Autonomista.

Na virada do século, o controle Espanhol das Ilhas do Caribe recebeu um forte ataque dos imperialismo norte americano, a esta altura, já se estabelecendo fortemente na região, se assenhoreando de várias ilhas do Caribe e também da América Central.

Segundo alguns autores, em 1912 Albizu conseguiu uma bolsa de estudos que acabou conduzindo-o à Universidade Harvard, onde terminou um bacharelado em filosofia e letras, uma graduação em engenharia química e, mais adiante, titulou-se em direito. Dono de uma cultura invejável, dominou 8 línguas e se consagrou como orador exemplar.

Apesar de ter conquistado com êxito a sua formação acadêmica, retornou para a sua terra e se fixou em em Ponce, Porto Rico, a serviço dos pobres, trabalhando como advogado, e fundou o Partido Nacionalista, em 1924, contrariando a cultura local, bastante carregada da ideologia burguesa liberal e bastante lastreada pela imposição da política norte-amercana.

Como proposta política, defendia a ideia de que a independência de Porto Rico era essencial para a luta continental anti-imperialista contra os EUA, além da manutenção das raízes culturais hispânicas. Seu discurso apontava para uma milícia armada de resistência contra o imperialismo norte-americano, ao mesmo tempo que com conotação caudilhista.

Em 1934, foi chamado para liderar as greves dos operários, mas o tom caudilhista não foi acolhido pela classe trabalhadora, pelo conflito que representou entre uma tendência socialista, que aparecia influenciada pelos novos movimentos da classe trabalhadora e que aspiravam por uma socialização da educação para melhor formação do trabalhador, principalmente os enroladores de tabaco, estavam dissonantes com a política pequeno burguesa que representava o caudilhismo de Albizu, com forte apelo de uma apologia antiamericana da Espanha católica, segundo escreve Ángel G. Quintero Rivera, na Enciclopédia Latino-Americana.

Ángel também conta que essa política também levou a vários confrontos com a polícia, e que, embora buscasse apoio na pequena burguesia, e na sua luta contra o domínio , não conseguiu senão ser preso por delito de “conspiração armada para derrotar o governo dos Estados Unidos” e condenado a dez anos de prisão em 1937, a serem cumpridos em Atlanta.

Em 1947 quando volta à ilha, encontrou o populismo de Luis Muñoz Marín, que governava a Ilha, condenando as novas formas que encontrou de controle do imperialismo, a quem o governo se submetera, e em dois anos articula um importante levante armado em Porto Rico e um, numa linha mais terrorista, organizou um ataque contra o presidente Harry Truman, em Washington, então presidente dos Estados Unidos, ambos sufocados, que também lhe rendeu mais 53 anos de prisão, que o levou a adoecer, e, em 1964, conseguir, por meio do indulto, morrer em liberdade.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas