Antônio Carlos Silva

Natália Pimenta

Sobre a Natália

Membro do Comitê Central do Partido da Causa Operária (PCO), secretária de Organização e de Mulheres do Partido.

Coordenadora do Coletivo de Mulheres Rosa Luxemburgo e ex-integrante da Aliança da Juventude Revolucionária, pela qual militou no movimento estudantil e organizou greves e ocupações.

Estudou Letras na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP).

Fundadora da Secretaria Nacional de Agitação e Propaganda do Partido.

Palestrante e debatedora, é colunista do Jornal Causa Operária.

Fome

117 milhões

No Brasil do golpe, insegurança alimentar dispara e mais da metade da população não sabe se terá o que comer amanhã

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

No Brasil, 117 milhões não se alimentam o suficiente e sequer têm certeza se terão o que comer no dia seguinte. Desses, 19 milhões passam fome. Temos realmente ideia do que isso significa?
O cérebro tem dificuldade de apreender essa quantidade de um modo concreto. Às vezes não nos damos conta da enormidade que esse número representa.
Precisaríamos, por exemplo, de três anos e meio ininterruptos apenas para contar até 117 milhões em voz alta. 
Seriam necessários 2.659 campos de futebol para colocar esse número de pessoas. 
E essa é a quantidade de pessoas em nosso país que passa fome de alguma maneira.
Temos um país de famintos: 55%, mais da metade da população!
E se 117 milhões de pessoas não têm assegurado o básico, o alimento, o que mais elas têm? Quase tudo lhes falta.
O aumento absurdo do número de pessoas que passam fome, de 23% em 2013 para 55% em 2020 é resultado direto do golpe e da política antipovo dos golpistas. Enquanto isso, o número de bilionários aumentou quase 50% no último ano, de 45 para 65 pessoas.
Quem não se lembra da propaganda da direita golpista e neoliberal, em oposição à política dos governos do PT, de que não se devia “dar o peixe” e sim “ensinar a pescar”?
Agora vemos na prática o que significa essa política: apenas tirar o peixe.
O neoliberalismo não tem nada a oferecer à população, a não ser fome e miséria. Nunca pretenderam “ensinar a pescar” porque seus objetivos levam a uma destruição na economia que acaba com os empregos e encarece o custo de vida tornando insuportável a existência do trabalhador. Como estamos vendo, massas de milhões de pessoas são levadas à miséria, o contrário de ser autossuficiente. Os únicos que se alimentam dessa política são os tubarões capitalistas e banqueiros, principalmente os imperialistas.
E não foi só a fome que aumentou. É visível também o crescimento do número de moradores de rua nas grandes cidades.
Ensinar a pescar envolve dar as condições para tal. A política neoliberal não só não fornece os meios, como degrada ainda mais a situação.
Onde estão as obras e projetos para resolver a seca do Nordeste, para melhorar a infraestrutura do país, para desenvolver a indústria nacional, para criar empregos, dar moradia e educação? E o crédito para os pequenos produtores e o aumento do poder de compra do trabalhador?
Não apenas não existem sob os governos golpistas de Temer, Bolsonaro e nos estaduais, como o quadro piorou em todos esses quesitos.
Há ainda setores liberais que chegam ao extremo de se opor a “ensinar a pescar” porque isso envolveria ajuda estatal e seria uma forma de “paternalismo”, como se a maioria da população tivesse como sair da situação de miséria sem que lhe sejam fornecidos os meios para isso. 
É uma situação intolerável. Como viver em um país onde mais da metade da população passa fome, enquanto meras 65 pessoas têm fortunas bilionárias? 
A burguesia faz a campanha de que a população deve doar alimentos, mas isso nem de longe pode resolver a situação. Basta considerar que apenas 45% da população, menos da metade, está em situação de segurança alimentar, enquanto 55%, mais da metade, está em situação de insegurança. Ou seja, esses 45% precisariam alimentar de modo contínuo a sua própria família e mais outra e ainda assim uma parte não seria contemplada. É inviável. Mas mesmo que o número de pessoas passando fome fosse menor, essa tarefa não é do indivíduo, e sim do Estado. Embora ajude muitas pessoas de imediato, a caridade é uma ação extremamente limitada. Uma ação voluntária, que necessariamente implica que será a ação de uma minoria, não tem como resolver o problema de conjunto. Além disso, dessa maneira estamos isentando o Estado do que é sua responsabilidade, e esse é o sonho dos capitalistas e banqueiros, que assim não precisarão dar o dinheiro para a população pobre, quando poderiam estar embolsando esse mesmo dinheiro. 
No entanto, está claro que o problema não será resolvido com Bolsonaro e os golpistas no poder. Vimos também que o PT avançou com os programas sociais, mas seu compromisso com os capitalistas impedia uma solução completa do problema.  Por fim, sua obra foi completamente desfeita pelo golpe. 
Lutar contra essa situação é um dever de toda pessoa minimamente consciente. E a única maneira de erradicar a fome e a miséria é promover uma mudança radical da sociedade, tirando do caminho os capitalistas que sugam a nação. É preciso que os trabalhadores tomem o controle da situação, tomem de fato o poder, acabando com essa desigualdade escandalosa e libertando toda a população dessa situação de miséria e opressão.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.