Cuba
Che Guevara pronunciou histórico discurso na ONU, onde denunciou as ameaças do imperialismo americano à Cuba
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ernesto "Che" Guevara |

Ernesto “Che” Guevara pronunciou um discurso histórico na Assembleia das Nações Unidas em 11 de Dezembro de 1964.

Em seu discurso, o líder revolucionário denunciou as provocações e ameaças do imperialismo americano à Cuba, que tentara invadir a ilha no episódio do ataque mercenário promovido pela CIA na Baía dos Porcos (Playa Girón) e no episódio da crise dos mísseis, quando os EUA cercaram a ilha com sua marinha, o que quase resultou em um conflito nuclear com a União Soviética. Che ainda menciona a violação sistemática do espaço aéreo por aparelhos espiões dos EUA, a infiltração de sabotadores, os ataques piratas nas águas internacionais e as provocações dos marines americanos na zona de Guantánamo. Desde 1898, os EUA mantém uma base naval no território cubano, que transformou-se em uma prisão política amplamente denunciada pela tortura e todos os tipos de arbitrariedades após as guerras do Afeganistão e Iraque.

O direito de soberania do Estado Cubano não era negociável e qualquer compromisso deveria implicar em obrigações recíprocas. Assim, Che coloca que Cuba não aceitaria as inspeções da ONU a mando dos EUA para impedir que o governo revolucionário da ilha possuísse as armas que julgassem necessárias para sua defesa. De acordo com o revolucionário, os EUA não teriam direito de interferir na política interna de países soberanos e tampouco violar seu território e espaços naval e aéreo. Afirma ainda que Cuba quer construir o socialismo.

Che saudou o ingresso na ONU dos países Zâmbia, Malawi e Malta e os chamou para fazerem parte ao movimento de países não-alinhados, com o objetivo de lutar contra o imperialismo, o colonialismo e o neocolonialismo. Disse que o governo cubano, apesar de ser marxista-leninista, não se alinhava com a URSS, pois os não-alinhados combatem o imperialismo.

O líder destaca a disposição revolucionária das massas latino-americanas e sua decisão de luta que paralisa a mão armada do invasor imperialista. A proclamação revolucionária dos povos se sintetiza na consigna “Pátria ou Morte!”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas