100 anos do voto feminino na Inglaterra

Há 100 anos, as mulheres conquistaram o direito ao voto feminino no Reino Unido depois de um movimento social liderado pelas sufragistas. Esse movimento inglês representava o anseio feminino de poder escolher seus representantes através do voto. Com o lema “ações e não palavras”, a reivindicação destas mulheres pela reforma eleitoral abalou o país e transformou o mundo.

Em 6 de fevereiro de 1918, o Parlamento Britânico aprovou alterações da lei eleitoral, permitindo às mulheres com mais de 30 o direito ao voto, cerca de 40% do total. Dez anos mais tarde, as mulheres alcançaram o voto universal.

Se é verdade que foi no Parlamento que a vitória se consolidou com a alteração da lei eleitoral, também vale destacar o combate político das sufragistas, que teve grande foco nas ruas. Manifestações, comícios, concentrações, piquetes, entre outros, foram algumas das formas de protesto do movimento.

No Brasil, o movimento criado pelas britânicas influenciou as brasileiras a buscarem o mesmo direito, que foi conquistado pela reforma provisória eleitoral de 1932. No entanto, a luta das mulheres hoje perpassa questões que estão além do direito ao voto ou a conquista de direitos políticos. Hoje há demandas e questões que afetam mais diretamente à mulher trabalhadora: o direito à creche e a serviços de saúde gratuitos, salário maternidade, dentre outros. Em outras palavras, as mulheres precisam lutar contra a direita e o golpe de Estado. Derrotar esse setor reacionário é parte fundamental da luta das mulheres. Ainda há muito para reivindicar. A luta continua!