Fora Bolsonaro neste domingo
Pelo décimo final de semana consecutivo, trabalhadores em todo o Brasil vão às ruas contra o regime golpista de Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ato-sp
Ato Fora Bolsonaro reuniu manifestantes na avenida Paulista, em São Paulo | Divulgação/PCO

Seguindo a agenda de lutas pelo fim do regime golpista de Jair Bolsonaro, o último domingo (26) teve atos pelo fim do governo ilegítimo, eleito por meio de uma sucessão de fraudes. Em protesto contra isso, diversas cidades em todo território nacional se mobilizaram no domingo passado, desde as grandes capitais até cidades do interior da Bahia.

Em Curitiba, aproximadamente 70 pessoas se mobilizaram na praça Santos Andrade, em frente a UFPR. O ato contou com a presença de militantes do PCO, dos comitês de luta contra o golpe, organizações das torcidas CAP Antifa e Atleticanhotxs, do Atlhtético, Coxa Comunas, do Coxa e Gralha Marx, do Paraná. Presente na capital paranaense com seu Somos Democracia, Danilo Pássaro acabou se recolhendo antes do fim do ato.

Em Brasília, os manifestantes se reuniram no Espaço do Servidor, na Esplanada dos Ministérios, espaço tradicional de manifestações na capital federal. Nas falas, o ataque de hackers fascistas contra este Diário Causa Operária foi lembrado pelo companheiro Renan Arruda, da direção do PCO no Distrito Federal. Ainda foram lembradas as greve do IFG e do Setor Leste, por estudantes e educadores. Segundo o informe dos presentes, a polícia não permitiu a presença de cadeiras na Esplanada e ameaçou os manifestantes que hostilizaram um grupo de provocadores bolsonaristas que passaram no local. Na Bahia, a capital Salvador teve atos contra Bolsonaro na Plataforma, no Largo do Luso. Os baianos tiveram também outro ato na cidade de Feira de Santana, a 108 quilômetros da capital.

No Rio de Janeiro, as manifestações contra o regime ocorreram no posto 2, em Copacabana, reuniu cerca de 40 militantes do PCO, do comitê Fora Bolsonaro e da Casa Nem, que abriga população LGBT pobre e vem sofrendo ameaça de despejo por parte do regime, o que deve ocorrer nesta segunda, 27/7. Segundo os presentes, o ato foi marcado pela presença ostensiva do aparato de repressão, que procedeu com um “cadastro” de quase todos os manifestantes. O ato deste domingo não teve novas prisões, como nas últimas semanas.

Na cidade de São Paulo, os manifestantes se reuniram no vão do MASP, na avenida Paulista. Organizados por militantes do PCO, do PT, da UP, entregadores antifascistas, de movimentos negro, feminino, de jovens e trabalhadores diversos, os manifestantes seguiram em marcha até o Conjunto Nacional. Pelo menos uma centena de jornais Causa Operária foram vendidos no caminho, além de rifas e da distribuição de centenas de adesivos e panfletos.A exemplo do Rio, um forte aparato policial acompanhou o desenvolvimento do ato na Paulista, sem maiores  incidentes contudo.

A população, através de seus instrumentos de organização popular vem posicionando-se contra o regime e todos os ataques que acompanham o processo golpista, e isto desde o carnaval de 2019. Ao longo de todo o período, temos assistido um crescimento muito expressivo da disposição de luta da população, mesmo diante da mais letal crise sanitária já enfrentada pelo País em mais de um século. Além disto, há também a ação deliberada de setores oportunistas da esquerda, que atuam abertamente no sentido de confundir e esfriar a radicalização política das massas, procurando canalizar a revolta popular para interesses que nada tem em comum com os da população, isto é, para as eleições.

Contra esta situação adversa e em virtude das manipulações dos setores reacionários da esquerda, o fato do Brasil chegar a décima semana seguida de mobilização popular pelo fim do regime bolsonarista, fica demonstrado a necessidade de a luta popular ser concretamente encampada pelas organizações mais numerosas da vanguarda dos trabalhadores, principalmente a CUT e o PT. Com milhares de sindicatos filiados, que agrupam cerca de 7 milhões de trabalhadores, o papel da CUT é especialmente relevante, na medida em que controla os sindicatos das categorias operárias mais avançadas politicamente, o que pode aumentar a força das mobilizações com greves capazes de paralisar a economia.

Veja abaixo o vídeo do ato em São Paulo:

https://www.youtube.com/watch?v=-d1rVebCoww

Veja abaixo algumas das fotos tiradas pelos participantes e cedidas ao Diário Causa Operária:

 

Brasília

Feira de Santana, Bahia:

Curitiba: n

Rio de Janeiro:

Salvador:

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas