França e UK capitulam.
Depois de um acordo assinado com a Itália, o Reino Unido e a França, Hitler anexa os territórios da Tchecoslováquia conhecidos como Sudetos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Da esquerda para a direita: Chamberlain, Daladier, Hitler, Mussolini e Ciano. |

Era 30 de setembro de 1938 em Munique, na Alemanha. Adolf Hitler, o líder nazista da Alemanha naquela ocasião, conversava com Neville Chamberlain (Primeiro-Ministro do Reino Unido), Édouard Daladier (Presidente do Conselho na França) e Benito Mussolini (Primeiro-Ministro da Itália e líder do partido fascista). O motivo da conversa era a reivindicação da Alemanha sobre os Sudetos da Checoslováquia, regiões do país vizinho que possuíam uma grande quantidade de descendentes de alemães. O encontro entre os líderes resultou no acordo conhecido como “Acordo de Munique”, que dava à Alemanha o direito de invadir a região.

Em 1933 se estabelece nas regiões dos sudetos um partido dos alemães que lá viviam e que tinham o interesse de desmembrar esses territórios e os anexar ao Terceiro Reich. Esse partido possuía o nome de Partido Alemão dos Sudetos.

Já em 1938, Alemanha em seu anseio de expandir seus domínios sobre o resto da Europa havia acabado de anexar a Áustria. Aumentando a pressão sobre os Sudetos em favor da separação da Checoslováquia. Tudo indicava uma invasão do país por parte dos alemães. No entanto, a Checoslováquia possuía acordos que obrigavam a França a auxilia-la caso entrasse em guerra.

No entanto, a França não possuía tanto interesse em auxiliar a Checoslováquia. Tanto a França quanto o Reino Unido capitulam diante da situação e assinam o “Acordo de Munique”, em que fica determinado que a Alemanha tem o direito de invadir a Checoslováquia e anexar os Sudetos ao seu território, desde que os nazistas aceitem não requisitar mais nenhum território.

A Alemanha, então, começa a ocupação dos Sudetos no dia primeiro de setembro de 1938. Durante a ocupação, que termina no dia dez de setembro de 1938 (81 anos atrás), os nazistas expulsam a população tcheca da região e o Partido Alemão dos Sudetos se mescla ao Partido Nazista.

Em março do ano seguinte os nazistas descumprem o acordo firmado e tomam todo o restante da Checoslováquia. A invasão alemã ao território demonstra como tanto os países imperialistas ditos democráticos, quanto os países imperialistas ditos ditatoriais no fundo levam a mesma política de dominação contra o restante da população mundial. O que a França e o Reino Unido fizeram diante da situação nada mais foi do que uma tentativa de ceder uma parte dos territórios por eles dominados aos alemães, com o intuito de que assim pudessem manter seus domínios sobre os outros países sem serem incomodados pelos nazistas.

A conferência na qual os quatro países imperialistas decidiram que uma parte do território tcheco deveria ser invadido pelos alemães demonstra também como a Checoslováquia não estava sendo protegida por nenhum desses países no acordo que ficou conhecido por “Sentença de Munique”, mesmo com a Checoslováquia tendo um acordo de mútua proteção com a França. Fica a dica para aqueles que acreditam que Donald Trump defenderia os interesses do Brasil na convenção do G-8 que discutiu os problemas da Amazônia, convenção essa que o Brasil também não participou.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas