Dia de Hoje na História
Kurt Zeitzler, coronel-general do Exército Nazista, é um dos exemplos de que não deve-se dar brecha para que os fascistas assumam o poder
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Kurt Zeitzler. Licença: Domínio Público.
Kurt Zeitzler. | Foto: Domínio Público.

Em 09 de junho de 1895, em Goßmar, Império Alemão, nasceu Kurt Zeitzler, Coronel-General da Alemanha nazista. Filho de um pastor, Zeitzler, aos 18 anos, ingressou no exército do Império Alemão, pouco antes da Primeira Guerra Mundial.

Após a Primeira Guerra, Zeitzler foi mantido no pequeno exército permitido pelo Tratato de Versalhes, chegando a ser transferido para o Ministério da Defesa da República de Weimar, em 1934, devido ao seu apoio a partido nazista e a Adolf Hitler.

Zeitzler, em 1939, ascendeu ao posto de Coronel e o comando do Regimento de Infantaria 60. Neste mesmo ano, serviu como chefe de gabinete do General Wilhelm List durante a invasão da Polônia.

Nos dois anos posteriores, Kurt Zeitzler liderou o Primeiro Exército Panzer durante a batalha da França, a invasão da Iugoslávia e a batalha da Grécia. O sucesso nessas campanhas fez com que o governo nazista o condecorasse com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro, uma mais altas condecorações do regime nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

O sucesso de Zeitzler se manteve constante durante a Operação Barbarossa (1941). Seu superior a época, o General von Kleist, elogiou a capacidade de Zeitzler organizar a logística de suprimentos do exército.

Devido a sua participação durante a defesa de Dieppe contra a incursão dos Aliados, Hitler o viu como uma opção para substituir Franz Halder como chefe do Alto Comando do Exército (Oberkommando des Heeres), apesar de haver outros com maior tempo e patente.

A dedicação de Kurt Zeitzler às suas tarefas impressionou até mesmo Hitler. Entretanto, as divergências entre os dois logo começaram a surgir. Durante a batalha de Estalingrado, Zeitzler recomendou a retirada do Sexto Exército, a fim de restaurar o fronte. Todavia, Hitler, passando sobre Zeitzler, ordenou a manutenção das tropas em Estalingrado, o que levou à destruição deste exército.

Seguindo a derrota em Estalingrado, Zeitzler foi uma das cabeças por trás da fracassada Operação Citadela, a última tentativa ofensiva dos nazistas no fronte oriental. A relação entre Zeitzler e Hitler deteriorou completamente após a derrota alemã na Criméia, em 1944, onde Zeitzler foi considerado o culpado pelo fracasso.

A soma da desconfiança nas decisões de Hitler e a provável percepção de que o regime nazista não conseguiria vencer a guerra, fez com que Zeitzler pulasse do barco como um rato prevendo o naufrágio, alegando problemas de saúde. Comportamento bastante próximo aos políticos e burocratas que ajudaram a eleger Bolsonaro, mas, agora, procuram se descolar, ao máximo, do mesmo.

Em 1945, Hitler o demite do exército, impedindo que pudesse vestir o uniforme.

Ao fim da guerra, Zeitzler foi preso pelos britânicos e serviu de testemunha nos julgamentos de Nuremberg. Também trabalhou para Seção de História Operacional (Alemanha) da Divisão Histórica do Exército Americano.

Análises por parte de “isentos” – como se fosse possível ser isento em relação ao fascismo e os fascistas – salientarão a competência de Kurt Zeitzler. Todavia, isto servirá apenas mascarar o fervor de Zeitzler em apoiar o regime nazista. O seu sucesso se dava, em grande medida, ao comprometimento que este tinha com o regime. Portanto, Zeitzler não deve ser usado como um exemplo de competência, mas como um exemplo de que o fascismo e os fascistas devem ser combatidos desde o início, pois, assim que tiverem os recursos necessários, trabalharão incessantemente para executar seus planos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas