150 anos do ditador espanhol
A crise do regime político espanhol se materializou no movimento de massas que derrubou a ditadura de Primo de Rivera, pôs fim à monarquia e instaurou a República.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Don Miguel Primo de Rivera y Orbaneja, 2nd Marquis of Estella, Grandee of Spain (1870-1930) was a Spanish dictator, aristocrat, and a military official, Spain, circa 1930. Primo de Rivera was appointed Prime Minister by the King and for seven years, between 1923 and 1930, ruled Spain as a dictator. (Photo by FPG/Getty Images)
Primo de Rivera liderou um golpe militar na Espanha, apoiado pela burguesia, pelo rei e pela Igreja | Universal History Archive | Crédito: Universal Images Group

Miguel Primo de Rivera y Orbaneja (1870-1930) nasceu em Jerez de la Frontera, província de Cádis, região da Andaluzia. Rivera era filho de militares e ingressou na carreira militar aos 14 anos da idade. Serviu nas colônias espanholas de Marrocos, Cuba e Filipinas. Seu tio, Fernando Primo de Rivera, ocupou os postos de governador das Filipinas e Ministro da Guerra.

Devido ao fato de ter se destacado em combate, em 1912 Primo de Rivera já alcançara o posto de general.  No interior da Espanha, foi capitão-general de Valência, de Madrid e de Barcelona.

Em 13 de setembro de 1923, o general Primo de Rivera lidera um golpe de Estado militar que suspende a Constituição e dissolve o Parlamento. O rei Afonso XIII e os setores de direita conservadora (Igreja Católica, burguesia espanhola, Forças Armadas, polícia nacional)  apoiaram  a articulação golpista. O Diretório Militar, uma espécie de junta militar, foi instalada e concentrava todos os poderes de Estado.

O golpe prosseguiu com o banimento dos partidos políticos representativos. Em seu lugar, criou-se a União Patriótica, que se apresentava como um órgão acima dos partidos e facções políticas, um corpo de tecnocratas representantes de toda a Espanha. O salazarismo português se inspirou no modelo da ditadura de Primo de Rivera, assim como a União Nacional portuguesa seguiu o modelo da União Patriótica.

A ditadura militar de Primo de Rivera se destacou na perseguição política à esquerda espanhola. A Confederação Nacional do Trabalho (CNT), organização operária controlada pelos anarquistas, foi declarada como ilegal. O Partido Comunista e os demais partidos de esquerda foram alvo de uma dura repressão policial. O partidários da independência da Catalunha também foram perseguidos e seus órgãos administrativos comunitários suprimidos. A consolidação da dominação colonial sobre o Marrocos (Norte da África) é considerada seu principal êxito político de Rivera. No início da década de 1930, Rivera renuncia e é obrigado a se exilar em Paris.

A derrubada da ditadura de Primo de Rivera (1930) e a queda da monarquia de Afonso XIII (1931) pela mobilização de massas impulsionada pelo movimento republicano significam o começo da Revolução Espanhola, que vai durar até 1936. A derrota da Revolução acontece tanto pela intervenção das forças franquistas, apoiadas por Hitler, Mussolini e Salazar, quanto pela política da Frente Popular, que serviu para conter as massas.

O Império Espanhol, que já foi a potência dominante no mundo, experimentou uma prolongada crise que se acentuou no final do século XIX, quando este perde suas últimas colônias em Cuba, Porto Rico, Filipinas, que passaram para o domínio dos Estados Unidos. Já no século XX, o país ibérico experimenta o desenvolvimento da indústria e da classe operária, que adquire grande importância no regime político.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas