Dia de Hoje na História
Foi na batalha de Boyacá,  em 7 de agosto de 1819, durante a guerra de independência da Colômbia, a conquista de Simon Bolivár e o Gen. Santander.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
colombia
Batalha de Boyacá | Foto: Reprodução / Pintura de Martín Tovar e Tovar

Foi na batalha de Boyacá,  em 7 de agosto de 1819, durante a guerra de independência da Colômbia, quando se confrontaram, de um lado, o exército realista do governo colonial e, do outro, as tropas de independência comandadas por Simón Bolívar e Francisco de Paula Santander, ao lado da ponte Boyacá, e após 77 dias de campanha, e mediante a elaboração de uma estratégia promovida pelo general Santander, que permitiu aos patriotas tirar proveito de uma vantagem que permaneceu pelo resto da batalha, que se deu a libertação e o sucesso  da Campanha Libertadora de Nueva Granada. Seu objetivo já havia sido expresso no Congresso de Angostura por  Simón Bolívar, quando formulou a criação da República da Colômbia independente do domínio espanhol.

A principal causa desse confronto militar foi a tentativa de criar um novo país que incluísse, além da mencionada Nova Granada, os territórios da Capitania Geral da Venezuela e a Audiência Real de Quito, todos em mãos espanholas.

Também é preciso que se diga, que, contra a dominação espanhola, Bolívar obteve ajuda da Inglaterra. E, mais tarde, já próximo à chegada dos século, também do imperialismo norte-americano.

Embora um país de grandes dimensões, a Colômbia sempre foi um país agrário, e sempre esteve sob a dominação de uma política da oligarquia agrária colombiana e de empresas estrangeiras, principalmente norte-americanas, que dominaram a área agrícola. Inclusive, essa tem sido a tônica e que conduz a economia por lá até hoje, sendo essencialmente um país exportador, se destacando pelo café muito comemorado.

O forte eixo da luta na Colômbia tem sido entre a oligarquia agrária, nacional e estrangeira, e os camponeses, que são, na sua imensa maioria, de procedência indígena, apesar de ter uma pequena parcela de procedência dos escravos africanos.

A luta na Colômbia sempre foi extremamente violenta. Pode, inclusive, ser representada pelos anos mais recentes, a guerra do governo colombiano, ao lado dos norte-americanos, contra os narcotraficantes colombianos. Isso não é uma exceção, mas uma regra na história da Colômbia.

Desde que foi ratificado o cessar-fogo entre as FARC e o governo colombiano em 2016, o número de mortos entre os camponeses e aqueles que os apoiam não para de crescer. O cessar-fogo era condicional, e com ele a deposição das armas pelas FARC. O problema é que o estado colombiano continua armado e, quando é para eliminar quem se opõe à sua política ditatorial e direitista, deixa o caminho aberto para que os grupos paramilitares façam o serviço sujo.

Isso é o que configura uma ditadura, que, entre outras coisas, elimina de forma totalmente ilegal seus opositores.

Ivan Duque, que se elegeu presidente da Colômbia nas eleições de junho de 2018, o fez com o apoio do setor mais reacionário da classe dominante colombiana, estando conectado ao para-militarismo e aos grandes criadores de gado.

Preso à dominação estrangeira dos norte-americanos e a essa oligarquia conservadora e fascista, é preciso que o povo lute para se ver livre da opressão que lhe é imposta, e ponha fim a esta dominação.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas