Dia de Hoje na História
Experiencia de Che pela América Latina consolidou no jovem revolucionário a necessidade da luta pela libertação dos povos oprimidos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Che_Granados
Che e seu companheiro Alberto Granado | Foto: Reprodução

No dia de hoje, 7 de julho, completam-se 57 anos da viagem realizada por Ernesto “Che” Guevara pela América Latina. Ainda na juventude, com 25 anos de idade, Che deu início a uma viagem percorrendo 8 países ( Bolívia, Perú, Equador, Panamá, Costa Rica, Nicarágua, Honduras e El Savador).

Esta não fora a primeira viagem do jovem Ernesto Guevara pelo continente latino-americano. Dois anos antes, ao lado de seu companheiro Alberto Granado, Che também percorrera a América do Sul. Um período tão marcante em sua vida e de grande influência na sua luta revolucionária travada posteriormente que, além de ser documentada pelo próprio Che, em um diário de viagem, tornou-se material de estudo para diversos ativistas e militantes em todo mundo. É desta viagem, por exemplo, que deriva o filme de Walter Salles, “Diários de motocicleta”, lançado em 2004.

Em 1953, Che volta a percorrer a América Latina, ao final partindo para Guatemala e posteriormente estabelecendo contato com as principais lideranças revolucionárias cubanas e de outros países. Ainda na Guatemala, Che pôde acompanhar o golpe de estado levado adiante pelos EUA contra aquele país em 1954, contra o presidente democraticamente eleito Jacobo Arbenz Guzmán. O primeiro de uma série de golpes organizados pelos EUA na América Latina, articulados pela sua agência de espionagem, a CIA. As políticas sociais adotadas por Guzmán, como a concessão de terras para os camponeses pobres, entrou em choque com os interesses do imperialismo norte-americano, em especial de seu monopólio de produção de frutas tropicais, a United Fruit Company, estabelecido naquele país.

Nesse sentido, a passagem de Che pelo continente latino-americano marcou-o profundamente, consolidando no jovem Ernesto a necessidade da luta contínua pela libertação dos povos oprimidos. Durante sua viagem pela América do Sul, Che se deparou com a situação de extrema opressão, pobreza e miséria vivenciada pelas massas exploradas dos países em que passou. Como por exemplo, as condições desumanas a que estavam submetidos os trabalhadores mineiros da mina de cobre de Chuqicamata no Chile, ou a miserabilidade imposta aos camponeses peruanos pelos latifundiários.

Pobreza esta consequência direta da política de rapinagem perpetrada pelos monopólios capitalistas, pelo imperialismo de um modo geral contra a América Latina, como irá constatar Che durante sua luta nos anos posteriores.

Passados 57 anos desta experiência essencial para o revolucionário argentino, Che permanece como um símbolo para toda a juventude, os trabalhadores e  a esquerda de um modo geral, da luta como única alternativa real para se colocar abaixo todas as formas de opressão rumo a uma sociedade verdadeiramente livre, a sociedade socialista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas