Dia de Hoje na História
Perspicaz e enérgico crítico social, Fourier tornara-se inconfundível ao fazer análise da burguesia francesa antes e após a Revolução.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Portrait de du philosophe français Charles Fourier. (Photo by API/Gamma-Rapho via Getty Images)
Charles Fourier. Foto: API/Gamma-Rapho |

Nascido em 7 de abril de 1772, Charles Fourier, natural da comuna de Besançon, na França, foi um filósofo e socialista utópico. Entusiasta do cooperativismo e filho de um comerciante de tecidos, Fourier chegara a trabalhar como comerciante, mas acabou falindo. De início, Fourier tinha interesse na arquitetura, no entanto, abandonara os estudos aos 17 anos com seus objetivos traçados: ajudar a humanidade. Após servir no exército durante a revolução francesa, Fourier iniciaria seus primeiros passos sobre as questões sociais e econômicas.

Perspicaz e enérgico crítico social, Fourier tornara-se inconfundível ao fazer análise da burguesia francesa antes e após a Revolução (1789–1799), desmascarando-a com seus inspirados profetas de antes e seus aduladores interesseiros de depois da Revolução; desnuda, sem piedade, toda a panaceia social em que se assentava a burguesia, colocando em evidência toda miséria material e moral do mundo burguês. Sua crítica colocava em evidência a contradição entre a sociedade na qual devia reinar a Razão – prometida pelos filósofos, com o mundo concreto em que se esbanjava a burguesia e seus privilégios. Afinal, não se anunciava uma civilização que devia dar o bem-estar geral, uma perfeição indefinida do homem? Além de crítico, Fourier era um dos maiores satíricos da época, capaz de desvelar as trapaças especulativas que floresceram após o declínio da Revolução e a rapinagem desenfreada de todo o comércio francês do seu tempo. Suas críticas atingiram até mesmo as relações sexuais da burguesia e a posição social das mulheres. O filósofo chegou a declarar que, em determinada sociedade, o grau de emancipação geral se mede pelo grau de emancipação da mulher.

Fourier compreendia que toda fase histórica tem sua ascensão e seu declínio. Ao dividir a história da sociedade em: selvageria, barbaria, patriarcado e civilização, Fourier destaca como a ordem civilizada eleva todos os vícios da barbaria. Para ele, a civilização se movia em “círculos viciosos”, numa sequência de contradições intermináveis. Percebe-se, portanto, que Fourier dominava a dialética como poucos. Segundo o filósofo, uma prova cabal seria que “a pobreza nasce da superabundância”.

De acordo com Fourier, “a igualdade de direitos é outra quimera, digna de elogio quando considerada em abstrato e ridícula do ponto de vista dos meios empregados para introduzi-la na civilização. O primeiro direito dos homens é o direito ao trabalho e o direito a uma renda mínima. Foi exatamente isso que não foi reconhecido em todas as constituições. Sua principal preocupação é com indivíduos favorecidos que não precisam de trabalho”.

Em seu livro Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico, Engels aponta que Fourier, assim como Hegel, era idealista, isto é – “em lugar de considerar suas ideias como os reflexos intelectuais dos objetos e dos movimentos do mundo real, obstinava-se a só considerar os objetos do mundo real e as suas transformações como outros tantos reflexos de suas ideias. Faltava-lhes, portanto, descobrir as leis do desenvolvimento da história. Ao descobrir a mais-valia, Marx provou que a apropriação do trabalho não pago era a forma fundamental da produção capitalista. Segundo Marx, “os homens entram em relações determinadas, necessárias, independente de sua vontade; essas relações de produção correspondem a um grau determinado de desenvolvimento de suas forças produtivas materiais. A totalidade dessas relações de produção constitui a estrutura econômica da sociedade, a base real sobre a qual se eleva uma superestrutura jurídica e política e à qual correspondem formas sociais determinadas de consciência. O modo de produção da vida material condiciona o processo da vida social política e intelectual.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas