América Latina
Há 60 anos, em 5 de dezembro de 1960, Pablo Neruda acompanhado de sua esposa Matilde Urrutia desembarcava em Havana.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Neruda por Fidel noticias de hoy_0040 (1)
Fidel Castro e Pablo Neruda no Capitólio | Foto: Reprodução

Há 60 anos, em 5 de dezembro de 1960, Pablo Neruda acompanhado de sua esposa Matilde Urrutia desembarcava em Havana. A motivação da visita era conhecer Cuba naquele momento revolucionário, bem como assistir o lançamento da edição cubana do seu livro Canto General (1950) impresso nas oficinas da Imprensa Nacional Cubana.

Pablo Neruda nasceu em Parral, na província de Linares, Chile, em 12 de julho de 1904, com o nome de Ricardo Eliécer Neftalí Reyes Basoalto. Acolhendo o nome de Pablo Neruda aos 17 anos de idade, numa declaração de afinidade com o escritor checo Jan Neruda. Neruda teve a publicação dos seus primeiros poemas no periódico regional A Manhã, após sua transferência para Temuco, enquanto estudava no Liceu de Homens dessa cidade. Ele também teve uma longa carreira diplomática iniciada em 1927 com nomeação como cônsul em Rangum na Birmânia.

Neruda foi um dos mais importantes poetas da língua castelhana do século XX, chegando a ser agraciado com o Nobel de Literatura em 1971, logo após Neruda foi convidado por Salvador Allende para recitar para mais de 70 mil pessoas no Estádio Nacional de Chile. Sua produção literária acaba sendo de grande relevância não apenas para a cultura chilena como para toda a cultura latino-americana.

Nas eleições presidenciais do Chile nos anos 70, Neruda abriu mão de sua candidatura em favor de Allende, por ver ambos como marxistas e acreditar que esse seria um passo para uma América Latina mais justa e para o socialismo. Sua posição era contrária ao regime militar do ditador Augusto Pinochet (1973-1990), o que levantou suspeitas sobre as condições de sua morte em 23 de setembro de 1973. Depois do golpe militar liderado por Augusto Pinochet, a casa de Neruda em Santiago conhecida como “La Chascona” foi saqueada e seus livros queimados. Sua oposição ao regime militar era a continuidade natural de seus posicionamentos, a exemplo de 1945, quando perante mais de 100 mil pessoas no Estádio Pacaembu prestou homenagem ao líder comunista Luís Carlos Prestes.

A visita de Neruda à Cuba revolucionária acontece pouco mais de um ano após a revolução, no momento Neruda acompanhado de sua esposa visitava Havana. Em Havana encontrou-se com Fidel Castro e os revolucionários, fazendo uma defesa desses e do seu legado. Na ocasião acontecia o lançamento na capital Havana da edição cubana do seu livro Canto General (1950), obra que seria uma das mais importantes do século XX, no seu escopo tentaria abarcar toda as lutas no continente americano, sendo um exemplo de arte e intervenção.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas