Até a morte, contra o império!
José Miguel Carreira y Verdugo foi um importante líder para a independência chilena. Mesmo com seus erros políticos, lutou incessante contra o domínio espanhol
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Pintura_José_Miguel_Carrera
José Miguel Carreira y Verdugo em pintura | Foto: Reprodução

O falecido José Miguel de la Carrera y Verdugo foi uma importante figura militar da política nacionalista chilena. Além de ser reconhecido como uns dos Pais da Pátria do Chile – soldados e governantes que lutaram pelo processo de independência da Monarquia Espanhola – foi o diretor supremo durante a Pátria Velha, primeira forma de governo a não admitir o Chile como uma província e, sim, como um País de seu povo. Os acontecimentos cujo teve participação direta, os quais quase levaram a uma insurreição republicana, são parte fundamental do patrimônio cultural do povo chileno, inclusive, levaram o grande poeta Pablo Neruda a inspiração para o conceder-lhe o título de Príncipe dos Caminhos.

Nascido em 1785, Carreira foi o primeiro caudilho da história republicana do Chile, um dos primeiros de toda América. Ele era descendente de uma família hispânica aristocrática, filho do coronel das Milícias Reais. Em 1807 foi enviado para Espanha por seu pai, para lutar na Guerra pela Independência Espanhola contra Napoleão. Lá obteve uma formação militar, bem como observou de perto, quando transferido para Cádiz após uma lesão, a agitação política espanhola em torna da formação de uma nova constituição. José requisitou o retorno para o Chile em 1811, e com apenas 26 anos foi determinante para os rumos da independência chilena.

Ao chegar, o setor mais pró-independência, liderado por Juan Martínez Rozas, havia organizado um golpe de estado alegando que a eleição do Primeiro Congresso (convocado para decidir qual seria o melhor tipo de governo para o Reino do Chile enquanto a Espanha estava nas mãos de Napoleão) foi fraudada. Rozas contava com o apoio de Juan José e Luis, irmãos do protagonista nesta exposição José Miguel de Carreira. Assim, Carreira se aproveitou para convencer seus irmãos de aguardarem, enquanto ele buscava com os conservadores uma saída mais pacífica. Um drástico erro político contra os violentos conservadores monarquistas, que representavam a força em defesa da opressão do povo chileno na época.

Obviamente, as vias pacíficas falharam, e José Miguel precisou fortalecer novamente o Golpe, que ocorreu com sucesso em 4 de Setembro de 1811. Vale enfatizar que ele provou ser quem tinha controle efetivo sobre as forças armadas, além de substituir todos os deputados da ainda chamada província, por outros independentistas. Imediatamente, o Congresso Nacional ficou nas mãos do setores pró-independência. Entretanto Carreira, alegando ser a única forma para conquistar a independência, contraditoriamente se aliando com os imperialistas novamente, deu um segundo Golpe, restabelecendo setores do Primeiro Congresso, mas sobre um triunvirato, que ele mesmo encabeçava.

Pouco tempo depois, no dia 20 de novembro, o Congresso foi dissolvido, e Carreira assume com poder total, ao lado de Roza. Em consequência, a junta da Concepción, região administrativa espanhola, não aceitou a autoridade do governo militar e arquitetou forças com as tendências conservadoras. Em 1813, começou uma incessante batalha para acabar com a emancipação chilena. Tropas enviadas pelo Vice – Reino do Peru, entidade do império espanhol, desembarcaram para sufocar a independência. Muitos conflitos seguiram, inclusive, com muitas vitórias dos militares chilenos. Porém, pela falta de um amplo movimento de massas, de materiais de guerra, e da velocidade de Mariano Osorio, o último brigadeiro enviado para a reconquista espanhola, as forças patrióticas foram derrotadas no que se conhece como desastre de Rancagua.

José Miguel e seus irmãos, junto com diversas famílias patrióticas, emigraram para Mendonza, cidade na Argentina. Não desistindo de travar a guerra pela independência, tentou de todas as maneiras conseguir o apoio dos generais espanhóis, mas os Carreras estavam com muito descrédito por causa das ações polêmicas de José Miguel e do desastre de Rancagua. Mesmo assim, ele conhece Carlos María Alvear, antigo aliado de Cádiz e um ferrenho inimigo de San Martín, líder argentino que desconfiava dos chilenos. Alvear reconhece Carrera como governante legítimo do Chile, e já planejam para retornar ao Chile com apoio Argentino. Mas Alvear foi retirado do poder, chamado por muitos de ditador, e a tentativa foi frustrada.

Carreira segue para os Estados Unidos, buscando apoio inclusive com o próprio presidente James Monroe – que deu nome a doutrina “américa para americanos”, ou seja, américa para o imperialismo dos EUA – e com diversos setores progressistas estados unidenses. Após cinco anos conseguiu levantar 5 navios com seus apoiadores, mas foi interrompido quando tentou adentrar no território argentino. Mesmo assim, o companheiro não desistiu, e independente de novos erros históricos para a construção do movimento de independência típicos de setores progressistas pequeno-burgueses da época ele continuou defendendo a independência do povo Chileno.

Vale ressaltar, que apesar da morte de seus irmãos e de seu pai, ele voltou a Argentina com um grupo armado de 500 homens, novamente tentando entrar no território do Chile. Ele ganhava seguidores entre os nativos, que, segundo a lenda, passaram a chamá-lo de “Pichi-Rey” (pequeno rei). Porém, fracassou, e foi morto pelas tropas argentinas do coronel Mendoza Gutiérrez.

 É importante enfatizar que a aliança com os Estados Unidos foi um grande erro por parte Carreira, os EUA já buscavam serem o próximo império a controlar a toda américa, e claramente qualquer apoio já era enviesado. Por isso, além de diversos outros fatores, acabou por tomar uma série de decisões erradas e a frustrar sua própria mobilização. A única alternativa para realmente levar a revolução para o Chile, era com a união de todos os povos latinos, os quais também já lutavam pela independência.

Mesmo com seus erros políticos, deve ser lembrado como uma importante figura na luta pela independência da América Latina, assim como diversos outros líderes que também se juntaram no combate ao principal inimigo dos povos oprimidos, o imperialismo. Homenageamos o companheiro João Miguel Carreira y Verdugo, um símbolo progressista da cultura chilena, que até hoje,é conhecido como um heróis da independência e do desenvolvimento do Chile como nação republicana. Como foi homenageado pelo presidente Sebastián Piñera em 2010, ao lado de seu companheiro, apesar das polêmicas e das divergências Bernardo O’Higgins.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas