Dia de Hoje na História
O imperialismo controla o comércio, explora no preço, e quando a China diz não, os capitalistas (visando apenas o lucro) declaram guerra para tomar o país todo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ópio (1)
Figura: ilustração do consumo de ópio no Vietnã, no começo do século XX. Fonte: Cinarc (2016). |

O século XIX foi, entre outras coisas, o século do imperialismo, onde a Inglaterra foi uma das nações que mais alcançou extensões de terras no globo, através da guerra e dos massacres dos países oprimidos. No continente asiático, os britânicos tiveram bastante trabalho para estabelecer domínio completo sob a sua Coroa. Controlavam a Índia e chegaram, por meio das Guerras do Ópio, a se estabelecerem nos domínios de Xangai, na China.

Primeiramente, devemos ressaltar que a China era controlada por uma burocracia construída ao longo de dois mil anos de história. E como todos os marxistas sabem bem, toda burocracia leva direto a corrupção geral do sistema, e assim, esta que estamos tratando era imensamente organizada para os interesses das classes dominantes. Esta informação é importante para compreender o desenvolvimento da luta de classes dentro do país, pois, tal sistema irá acarretar diversas revoltas que vão desencadear uma luta revolucionária de operários e camponeses contra a burocracia e o imperialismo.

Para a Inglaterra era altamente lucrativos os negócios empreendidos pela Companhia Britânica das Índias Orientais, onde, dentre os produtos mais negociados, estavam o chá e o ópio. Os imperialistas compravam o chá dos chineses e levavam o ópio para a venda no Ocidente, porém, mantendo os lucros para a classe dominante e mantendo o povo na miséria.

Havia uma demanda muito grande por ópio na Europa e na América, tanto farmacêutica (o ópio era usado em feridos de guerra e pessoas acometidas de doenças causadoras de dor intensa), quanto recreativas (havia muitos clubes para consumo de ópio e haxixe nas principais cidades europeias). Contudo, os imperadores chineses viam com preocupação o uso do ópio entre a população da China, frente a dependência química e a decadência física e moral causadas pela droga.

A partir de 1800, a China estabeleceu decretos proibindo o consumo do ópio pela população, entretanto, as sanções eram ignoradas, e o comércio do produto com os ingleses estimulava o uso entre os chineses também. Chegando em 1839, a China decidiu acabar definitivamente o comércio do ópio e decretou a apreensão de cerca de 20 mil caixas do produto, expulsando os comerciantes ingleses que as estavam negociando. Essa ação afetou profundamente o Reino Unido, principalmente os capitalistas ascendentes interessados no produto.

No dia três de novembro do mesmo ano, os ingleses decidem por decretar guerra à China, mas que começou efetivamente no início do ano seguinte. Essa Primeira Guerra do Ópio durou de 1840 a 1842, resultando na derrota chinesa e na subordinação da China às potências ocidentais que exigiam abertura ao livre mercado.

O principal documento de subordinação ao imperialismo, foi o Tratado de Naquim, assinado em 1842, entre a dinastia chinesa de Manchu e o Reino Unido. O tratado foi considerado um dos “Tratados desiguais”, que “encurralavam” o império chinês a se abrir para o comércio com potências ocidentais. O resultado desse tratado foi o rompimento em pouco tempo do mesmo.

Em 1856, o governo chinês embargou um dos navios representantes da coroa inglesa, gesto que configurava violação do Tratado de Nanquim. Ocorreu uma inspeção no “Arrow” – um navio chinês com bandeira britânica – , o que foi considerada pelo Império Britânico como uma violação ao tratado, e, nesse contexto, o incidente foi utilizado como pretexto para dar início a mais um conflito armado.

Em 3 de março se inicia a Segunda Guerra do Ópio, que durou de 1857 a 1860. Essa segunda guerra imperialista para dominação do Oriente, culminou não apenas na tomada de mais regiões estratégicas do comércio chinês, como também na tomada da capital do império, a cidade de Pequim, em 1860, pelo oficial Lord Elgin, o qual, com a ajuda dos franceses, invadiu a cidade e incendiou o Palácio de Verão, do imperador chinês.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas