Siga o DCO nas redes sociais

Tribunal de Nuremberg
01/10/1946: nazistas são condenados nos julgamentos de Nuremberg
No dia 01/10/1946 acabavam os julgamentos de Nuremberg, responsáveis por julgar 24 pessoas do alto escalão nazista por seus crimes de guerra.
Landscape
Tribunal de Nuremberg
01/10/1946: nazistas são condenados nos julgamentos de Nuremberg
No dia 01/10/1946 acabavam os julgamentos de Nuremberg, responsáveis por julgar 24 pessoas do alto escalão nazista por seus crimes de guerra.
Julgamento de Nuremberg
Landscape
Julgamento de Nuremberg

Entre 20 de novembro de 1945 e 1 de outubro de 1946, aconteceu o julgamento de 24 lideranças do partido nazista alemão. O julgamento foi realizado pelos países aliados que haviam derrotado os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial (EUA, França, União Soviética e Grã Bretanha).

Dentre os 24 julgados nesse tribunal, 12 foram condenados à morte por enforcamento, sendo que um deles, Martin Bormann, foi condenado sem estar presente no julgamento. Os outros condenados ao enforcamento foram: Hans Frank, Wilhelm Frick, Hermann Göring, Alfred Jodl, Ernst Kaltenbrunner, Wilhelm Keitel, Joachim von Ribbentrop, Alfred Rosenberg, Fritz Sauckel, Arthur Seyss-Inquart e Julius Streicher.

Walther Funk, Rudolf Hess e Erich Raeder foram sentenciados à prisão perpétua.

Karl Dönitz, presidente da Alemanha e responsável pela assinatura de rendição após o suicídio de Adolf Hitler, foi condenado a 10 anos de prisão. Konstantin von Neurath recebeu pena de 15 anos de prisão, enquanto Baldur von Schirach e Albert Speer receberam 20 anos de prisão cada.

Franz von Papen, Hans Fritzsche e Hjalmar Schacht foram absolvidos neste julgamento, enquanto o entusiasta do regime nazista e capitalista industrial Gustav Krupp teve seu julgamento cancelado por motivos de saúde. Krupp havia utilizado trabalho escravo em sua industria durante o regime nazista. Atualmente, a Krupp que mudou seu nome para ThyssenKrupp AG, continua com denuncias de proporcionar péssimas condições de trabalho para seus trabalhadores, tendo sido palco para o livro jornalístico “Cabeça de Turko” de Günter Wallraff na década de 80.

Robert Ley, chefe da Frente Alemã para o Trabalho, se suicidou na prisão antes de chegar ser julgado.

Os crimes de guerra cometidos pelos alemães durante a segunda guerra foram julgados. Nenhum dos réus teve direito a um advogado.

Os crimes de guerra cometidos pelos países aliados também nunca foram julgados. Como alguns desses países saíram como heróis após a segunda guerra (muito por conta do imaginário do cinema de propaganda dos EUA), atrocidades cometidas contra civis, como é o caso da utilização das bombas atômicas em Hiroshima e Nagazaki, nunca foram julgadas.