Dia de Hoje na História.
Uma profunda transformação promovida pela revolução de 1959 lançaria as bases para o que se tornaria modelo a ser exportado.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cuba-educacao
Foto: Prensa Latina |

Há exatos 59 anos, a educação nunca mais seria a mesma no arquipélago cubano. Uma profunda transformação promovida pela revolução de 1959 lançaria as bases para o que se tornaria modelo a ser exportado. A Reforma da Educação Integral, por sua vez, determinou o objetivo da educação no país: dar plenas condições para o desenvolvimento do ser humano.

A tarefa, portanto, contou com a ação de 3.000 professores voluntários que se propuseram a levar a educação aos locais mais distantes dos grandes centros, dando condições aos camponeses que moravam em lugares remotos. Além da Campanha Nacional de Alfabetização, fora criada a Brigada de Professores de Vanguarda “Frank País”, alcançando as províncias do Oriente, Las Villas e Pînar del Río. As mulheres camponesas foram contempladas com o Plano de Educação para a Camponesa “Ana Betancourt”, o qual oferecia aulas em corte e costura, em Havana.

Poucos meses após o triunfo da Revolução (1959), Fidel Castro, comandante em chefe do governo revolucionário, anunciara nas Nações Unidas, que daria um enorme passo rumo à completa alfabetização do povo cubano. A partir daí, seria colocada em prática uma grande campanha de alfabetização com o objetivo de erradicar o analfabetismo. De início, não levaram em conta a convicção do regime cubano, pois o país era subdesenvolvido. Enganaram-se os céticos, pois, em 1961, Cuba seria o primeiro país da região à erradicar o analfabetismo, o que levou a UNESCO a reconhecer o feito. Vale lembrar, porém, que a população cubana era quase inteiramente analfabeta.

A consolidação da Revolução necessitava de uma nova expressão jurídica, e, para isso, leis e regulamentos em torno do revolucionamento educacional foram promulgados às pressas. Afinal, a revolução havia implodido a muralha que impedia o acesso universal a educação. No dia primeiro de maio de 1961, o governo manifestou o ensejo popular e movimentou-se no sentido de nacionalizar todas as escolas privadas do país. Por conseguinte, em 6 de junho de 1961, aprovada democraticamente entre todo o conjunto da população, foi aprovada a Lei de Nacionalização da Educação – abolindo a educação privada e os antigos métodos de ensino, além de estabelecer uma educação revolucionária. Pode-se, no entanto, concluir que o terceiro ano da Revolução, 1961, teve um caráter decisivo para a história do povo cubano, uma vez que a Campanha de Alfabetização alcançara por completo seu objetivo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas