Dia de Hoje na História
O golpe militar de 1964 inaugurou 21 anos de terrorismo de Estado no Brasil, com perseguições, torturas e assassinatos. Os torturadores são inspiração para os fascistas de hoje.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Brasil, Rio de janeiro, RJ. 08/04/1964. Um tanque de guerra do exercito em frente ao palácio da Guanabara no Rio de Janeiro. Pasta: 46471 - Crédito:ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Codigo imagem:18158
Foto: Reprodução. |

Na madrugada do dia 1º de Abril de 1964 dava-se andamento ao golpe militar que procedeu à derrubada do governo João Goulart (PTB) e inaugurou período de 21 anos de ditadura militar e terrorismo de Estado no Brasil.

Uma coligação de formas reacionárias executou o golpe de Estado. Os Estados Unidos e sua política externa de contenção do comunismo no hemisfério tiveram papel central no golpe, uma vez que conspiraram com os setores conservadores da sociedade, como a Igreja Católica, a burguesia nacional (FIESP), os latifundiários, os partidos burgueses e o Alto-Comando das Forças Armadas para derrubar o governo Goulart à força.

Com a consumação do golpe, começou a montagem de um poderoso aparelho de monitoramento, repressão, tortura e desaparecimento em massa e ocultação de cadáveres de opositores políticos. A esquerda foi banida do regime, obrigada a fugir do país ou enfrentar os porões sinistros da ditadura. Os agentes dos EUA e de outros países imperialistas vinham até o país e ministravam cursos de tortura e contra-insurgência aos militares brasileiros.

Os Departamento de Informações e os Centros de Informação e Defesa Interna (DOI-CODI) eram os aparelhos mais sofisticados de repressão política, comandados por militares do Exército, mas com participação ativa de membros da Polícia Federal, das Polícias Civis e Militares dos Estados. O Estado de São Paulo teve papel fundamental na montagem do aparelho repressivo com o pioneirismo da Operação Bandeirantes.

Até hoje há dezenas de milhares de desaparecidos e, de tempos em tempos, são descobertos novos cemitérios clandestinos da ditadura. Sabe-se que a cifra de assassinatos políticos é muito maior do que a divulgada, uma vez que os militares jogavam corpos no fundo do mar, incineravam cadáveres em usinas, falsificavam atestados de óbito. Há uma série de lacunas sobre o destino dos corpos dos guerrilheiros do Araguaia e as circunstâncias de seus assassinatos. Uma série de documentos são considerados secretos sobre o ocorrido.

Os fascistas dos tempos de hoje, adeptos fanáticos do bolsonarismo, são inspirados pelo exemplo dos torturadores da ditadura militar, com verdadeira veneração para um dos mais cruéis torturadores, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra. Em diversas ocasiões, Jair Bolsonaro prestou homenagem à memória de Ustra e propôs a comemoração do golpe de 1964.

Entre os generais das Forças Armadas, dentre eles o General Mourão, há uma verdadeira nostalgia dos tempos que eles assassinavam opositores políticos e ocultavam seus cadáveres, estupravam as mulheres presas e vendiam seus filhos, censuravam a imprensa e as universidades, perseguiam professores e estudantes, baniam os partidos de esquerda da vida política e intervinham nas organizações operárias.

Os fascistas daqueles tempos são os mesmos de hoje.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas