Israel age como nazistas: mais de 30 feridos na palestina

palestina-pedra

Nesta sexta-feira 13 de abril, palestinos são novamente massacrados pelo exército israelense. Está é a 3ª sexta-feira seguida de protestos na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel. Pelo menos 30 palestinos ficaram feridos nos conflitos que ocorreram pela manhã.

Segundo as autoridades de Gaza, desde 30 de março 33 palestinos foram mortos e milhares foram feridos pelo exército israelense. Desde o início dos protestos, os israelenses tem usado armas letais de alto calibre contra a população pobre e oprimida de palestinos. A cada sexta-feira o massacre vem se repetindo.

Os protestos estão sendo convocados contra o bloqueio fronteiriço imposto por Israel. Além disso, os palestinos defendem o retorno de 700 mil pessoas expulsas de suas terras desde a guerra que culminou na criação do Estado de Israel.

Nesta sexta-feira, não foi diferente. Milhares de palestinos se reuniram em diferentes pontos da fronteira com Israel. O exército atacou os palestinos com tiros, que responderam com pedras. Estima-se que a na parte da tarde o protesto reúna ainda mais palestinos. Com isso, o enfrentamento e as mortes podem aumentar mais ainda.

Israel age como os nazistas, ataca uma população empobrecida e indefesa com força letal. Assim, pratica um verdadeira genocídio contra o povo palestino, que protesta para defender o simples direito de continuar ocupando seu território. As fronteiras e os assentamentos do Estado de Israel avançam a cada dia sobre os palestinos. Porém, o exército israelense afirmou que quem se aproxima da fronteira coloca sua vida em risco.