Golpistas da ECT querem vender uma empresa que registrou crescimento de 16% em suas entregas

Compartilhar:
Golpistas da ECT querem vender uma empresa que registrou crescimento de 16% em suas entregas

A direção golpista da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) acaba de anunciar em seu boletim interno “Primeira Hora”, do dia 10/01/2018, que alcançou um crescimento de 16% na quantidade de encomendas entregues no mês de novembro e dezembro de 2017.

Basicamente, os Correios teria entregue 7 milhões de objetos, principalmente SEDEX e PAC, a mais que o ano anterior.

Diferentemente da propaganda enganosa feita pelos golpistas e o monopólio da imprensa capitalista que dizem que os Correios brasileiro estaria falido, o serviço nos correios só aumenta, os trabalhadores vivem sobrecarregados.

Os números negativos realizados pela contabilidade golpista dos Correios não condiz com o potencial e o dia dia dos carteiros, que não deixam de trabalhar nem para ir ao banheiro.

É preciso desmascarar a farsa de que os Correios estaria no “vermelho”, com deficit´s bilionários, mostrando que tudo isso não passa de uma campanha de desmoralização da empresa, para que a população brasileira aceite que a maior empresa de correios da América Latina (ECT), seja entregue de graça aos tubarões do mercado postal.

A população trabalhadora no seu conjunto e os trabalhadores dos Correios, em particular, precisam defender esse patrimônio do povo brasileiro das garras dos golpistas, serviçais do imperialismo americano que orquestrou o golpe de Estado no Brasil, para conseguir roubar todas as nossas riquezas nacionais.

Rascunho automático 67

Pela formação nos Correios de comitês de luta contra o golpe, contra a privatização da ECT e contra a entrega das demais riquezas nacionais pelos golpistas.

 

artigo Anterior

Renovar, lutar e conquistar: unidade e democracia no Andes-SN

Próximo artigo

Professores da rede municipal do Oiapoque-AP realizam protesto pelos salários atrasados

Leia mais

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: