Aumento das tarifas em SP gera protesto do MPL

Compartilhar:
Valor da passagem de ônibus de Maceió pode ter aumento maior que o previsto para 2018, diz sindicato

Em face ao aumento nas tarifas de transporte público coletivo na cidade e no estado de São Paulo, anunciado pela dupla tucana Dória-Alckmin,[1] o Movimento Passe Livre (MPL) convocou manifestação para o dia 11/01/2018, às 17 horas na frente do Teatro Municipal, no Centro de São Paulo.

Além de reduzir as cotas do passe estudantil e aumentar o valor do bilhete único mensal de R$ 140,00 para R$ 190,00, e do bilhete integração de R$ 260,00 para R$ 300,00, no ano de 2017, a gestão peessedebista decidiu, agora no começo de 2018, elevar o valor das passagens unitárias de ônibus, metrô e trens da CPTM, de R$ 3,80 para R$ 4,00.[2]

Diante da situação, o MPL registrou em sua rede social que “Movimentar-se pela cidade, algo pelo qual não deveríamos ter que pagar, agora vai custar R$ 4 – e para quem pega metrô e ônibus, vai para R$ 6. Nas linhas do EMTU, mais ainda!”.

Apesar do empenho em contestar a política privatista do PSDB, cujo intuito é satisfazer o interesse dos grandes consórcios e companhias de transporte coletivo que atuam na região metropolitana de São Paulo, o grupo procura manter uma postura apartidária diante do golpe de Estado de 2016, mostrando-se engajado exclusivamente na questão da democratização dos transportes públicos.[3]

Mas é preciso ter claro que se trata de manifestação focada num problema que envolve um conflito de interesses muito mais amplo do que uma mera disputa de poder entre governo e usuários de ônibus e metrô. É preciso participar do ato convocado pelo MPL, levantando palavras de ordem contra a direita e os golpistas, cujos governos do PSDB no estado e no município são os principais representantes.

João Doria revogou boa parte dos benefícios do passe estudantil, que havia sido implantados pelo prefeito anterior, Fernando Haddad, para compreender que a ausência de mudanças bruscas na estrutura do Estado, em prol dos interesses dos trabalhadores e dos mais pobres, não garante uma definitiva melhoria do transporte público.

É preciso, portanto, ir às ruas contra o aumento da passagem e levantar a palavra de ordem de Fora Doria, Fora Alckmin e abaixo o golpe!

[1] https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/passagem-de-onibus-em-sp-vai-a-r-4-em-2018.ghtml

[2] http://www.valor.com.br//politica/5240711/mpl-marca-protesto-contra-reajuste-da-tarifa-em-sp

Rascunho automático 67

[3] http://tarifazero.org/mpl/

artigo Anterior

Veja alguns fatos importantes retratados pelo Diário Causa Operária na Cidade de Ribeirão Preto

Próximo artigo

Barcelona se movimenta para levar mais um craque brasileiro

Leia mais

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: