PMs assassinos são absolvidos após ameaçar jurados

Compartilhar:
PMs assassinos são absolvidos após ameaçar jurados

O caso dos 12 policiais militares acusados de matar 5 “suspeitos” de roubar um carro ficou amplamente conhecido. Como é hábito da polícia assassina, “atiram na nuca primeiro, derrubam certeiro, para perguntar depois”, para citar o rapper da Cidade de Deus, MV Bill. Executaram 5 indivíduos sem mesmo saber se eram de fato culpados do crime. E mesmo que fossem, o roubo de um carro justifica a execução? Obviamente que não.

Isso serve para demonstrar qual o verdadeiro caráter da polícia: um órgão legalizado de extermínio da população pobre, majoritariamente negra. O povo negro brasileiro sofre uma verdadeira carnificina promovida pelo estado capitalista. Como não são dadas condições para a sobrevivência, muitos procuram alternativas no crime organizado ou em pequenos delitos, e acabam sendo assassinados pela PM. Mas esse caso, assim como tantos outros, é significativo para mostrar que mesmo não tendo cometido nenhum delito, está sujeito a repressão policial – que vai da tortura psicológica e física à execução a sangue frio.

Entretanto, o que vem ao caso nesse acontecimento é que em outubro passado os policiais foram submetidos a um júri popular. Em menos de uma semana, foi votado absolvê-los. Entretanto, o próprio Ministério Público do Paraná (MP-PR) denunciou a pressão exercida pelos policiais sobre os jurados para que votassem a favor deles. Os policiais apareciam fardados nos dias do júri, o que intimidou os jurados. Claro, é de se esperar. Essa intimidação é algo comum durante esse tipo de processo. E qualquer um com sã consciência do caráter repressivo da PM sabe que qualquer medida feita contra ela pode por em risco sua própria segurança. Mais uma vez, a barbárie do Estado capitalista é responsável com o assassinato da população brasileira.

artigo Anterior

Neste fim de ano venha brindar com o PCO, o partido da luta contra o golpe

Próximo artigo

Tucanos comandam ditadura em Ribeirão Preto

Leia mais

Deixe uma resposta