Banco Mundial exige privatização

Compartilhar:
Banco Mundial exige privatização 1

Em um estudo intitulado “Um ajuste justo – propostas para aumentar eficiência e equidade do gasto público no Brasil”, o Banco Mundial (BIRD) propõe o fim da gratuidade do ensino superior no Brasil. Segundo o estudo a gratuidade no ensino público seria responsável pela “perpetuação da desigualdade no país”.

Rascunho automático 67

Além disso, o estudo afirma que “as despesas com ensino superior são, ao mesmo tempo, ineficientes e regressivas” e defende que o país acabe com a gratuidade em nome da economia e para facilitar o corte de despesas. Essa proposta faz parte de um conjunto de “recomendações” que o Banco Mundial faz ao governo Brasileiro, que no fim das contas representam um ajuste fiscal severo contra a população.

Organizações internacionais como o Banco Mundial (BIRD), assim como o Fundo Monetário Internacional (FMI) entre outras, são máscaras para esconder os interesses do imperialismo e impor aos países de capitalismo atrasado medidas que só interessam aos capitalistas estrangeiros. Estas organizações foram responsáveis por fazer inúmeras recomendações de ajustes fiscais aos países atrasados ao longo dos anos todos eles de caráter neoliberal e que falharam monstruosamente, servindo apenas para aumentar a miséria da população desses países. A verdade é que o fim da gratuidade do Ensino Superior no Brasil seria um grande desastre para o povo brasileiro e só serviria para encher ainda mais os bolsos dos banqueiros e dos capitalistas estrangeiros.

Além disso, a proposta do Banco Mundial ataca a Constituição do Brasil que prevê que o Ensino Público deve ser gratuito. Essa proposta é mais uma passo no sentido do aprofundamento do golpe que tem como agenda a retirada completa de todos os direitos da população incluindo o direito à educação. A privatização do ensino público não é uma realidade fantasiosa, ela já se apresenta em diversas medidas adotadas pelo governo golpista de Michel Temer, que tem se mostrado cada vez mais um representante dos interesses do imperialismo no Brasil.

Portanto, a luta contra o fim do ensino superior gratuito passa necessariamente pela luta contra o golpe de Estado no Brasil e pela derrubada imediata dos golpistas. É dever lutar pela educação pública, assim como também a luta contra a reforma trabalhista e da previdência, mas para isso é necessário que deixemos de lado as lutas parciais e passemos a atacar o Golpe de conjunto, pois apenas uma mobilização total e permanente da classe operária é capaz de colocar abaixo o golpe e seu programa neoliberal.

artigo Anterior

MST faz bloqueio em estrada em Maraba, no Pará, contra reintegração de fazendas ocupadas

Próximo artigo

Dirceu vai ser preso de novo

Leia mais

Deixe uma resposta