Comitê de luta contra o golpe do RJ faz campanha pela anulação do impeachment na mobilização do dia 10

Compartilhar:
Comitê de luta contra o golpe do RJ faz campanha pela anulação do impeachment na mobilização do dia 10

Na última sexta-feira, dia 10 de novembro, foi a data convocada pelas centrais sindicais como um dia de luta contra as reformas do governo golpista. Embora o resultado dessa mobilização tenha deixado muito a desejar, o PCO do Rio de Janeiro cumpriu o seu papel e se juntou aos companheiros do comitê Volta Dilma do Estado na mobilização de luta contra o golpe.

Rascunho automático 67

 

PCO RJ participa de dia de mobilização no dia 10 4
Militantes do comitê de luta recolhem assinaturas

O ato foi marcado para às 16 horas. No entanto, os militantes da luta contra o golpe já estavam recolhendo assinaturas desde às 12h. Foi feita a coleta de assinaturas pela anulação do impeachment, a distribuição de panfletos e a venda de jornal. Mesmo com um público pequeno, a aceitação à propaganda pela anulação do impeachment foi excelente. A adesão as pessoas foi de quase 100%. Coletamos cerca de 60 assinaturas pela anulação do impeachment.

PCO RJ participa de dia de mobilização no dia 10 5
Polícia prende sem motivo Gabriel, jovem manifestante que participava do ato

O ato transcorria sem maiores problemas, tendo se movimentado até a Candelária para se juntar a outros militantes. No entanto, ao

final da manifestação, sem nenhum motivo um jovem rapaz chamado Gabriel Diego Santos, de 22 anos foi preso pela PM. O jovem é figura sempre presente nos atos da esquerda.

 

Foi levado arbitrariamente pela PM, mesmo sem ser uma figura de destaque em toda a mobilização. O fato de ser um jovem pobre e da periferia foi certamente um “incentivo”. Felizmente, pelo que soubemos, ele foi encontrado 24 horas depois. O autor da matéria procurou saber o estado do Gabriel, mas até o momento da publicação dessa matéria, ainda não tivemos maiores informações.

artigo Anterior

Leite, merenda, transporte… o que Doria tem contra as crianças?

Próximo artigo

Somos os mesmos de 1964, diz comandante do Exército

Leia mais

Deixe uma resposta