Por que o ENEM ocultou a Revolução Russa?

Compartilhar:
Por que o Enem ocultou a Revolução Russa?

Passado pouco mais de um ano do Golpe que retirou da presidência aquela eleita por mais de 54 milhões de votos, já são incontáveis os retrocessos a que a população brasileira foi submetida pelos golpistas, a mando do imperialismo norte americano.

Por que o Enem ocultou a Revolução Russa? 1
Estudantes fizeram a primeira prova no último domingo dia 5

Em meados de fevereiro desse ano, com a medida provisória, posteriormente convertida em lei, o ensino médio foi deformado e, com isso, as disciplinas de Filosofia e Sociologia deixaram de ser obrigatórias. Nesse ponto, nota-se claramente a intenção dos golpistas de ver a população mais pobre e dependente do ensino público completamente excluída e sem qualquer conhecimento político que a possibilite lutar por suas demandas e contra o Estado burguês.

No último domingo (5), o primeiro ENEM de fato confeccionado pelo governo golpista, por meio do INEP, instituto vinculado ao MEC, Ministério da Educação e Cultura, a falta de questões relativas à Revolução Russa se mostrou bastante estranha e possibilitou a comprovação das intenções do Ministro da Educação, o golpista Mendonça Filho (DEM), e de toda a corja que compõe este governo.

No ano em que se comemoram 100 anos da Revolução mais importante do último século, que levou ao poder a classe oprimida de operários e camponeses, o mínimo que se esperava de um exame para o ingresso em instituições de ensino superior era que discutisse esse importantíssimo episódio da história.

Por que o Enem ocultou a Revolução Russa? 2
As questões do ENEM ignoraram os 100 anos da Revolução Russa

Entretanto, o MEC preferiu ocultar completamente a existência da Revolução Russa, bem como de qualquer outra revolução de origem popular. E não era de se esperar menos. Com um golpe militar se desenhando, a estratégia de não incluir o assunto na prova, nem mesmo em questões de caráter mais histórico que ideológico, como todos os anos ocorrem nesse tipo de exame, gera incentivo para que escolas e professores deixem de debatê-lo durante a preparação para o ENEM. Assim, aos poucos a Revolução Russa se torna um assunto obsoleto nas escolas e, com isso, os jovens perdem a referência mais importante de luta popular que se tem até hoje.

Rascunho automático 67

Esse gesto do governo, que pode parecer desconexo da situação política a um primeiro olhar, mostra extrema importância na análise política do que o imperialismo pretende fazer em solo brasileiro. Se com um civil na presidência chegamos a esse ponto, com a chegada dos militares teremos acirrada a perseguição à esquerda e a tentativa de pôr no esquecimento toda sua história.

artigo Anterior

Lula contra o golpe: por Rafael Dantas

Próximo artigo

Pequeno retrato de um juiz golpista

Leia mais

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: