Instituto Millenium faz investida contra a liberdade de expressão

Compartilhar:
Instituto Millenium faz investida contra a liberdade de expressão

O Instituto Millenium, órgão patrocinado pelo imperialismo e pela burguesia pró-imperialista, responsável por disseminar o “pensamento” econômico neoliberal no País, principalmente no meio acadêmico, realizou, nessa semana (23/10), uma palestra numa universidade privada onde fez uma investida contra a liberdade de expressão.

Rascunho automático 67

Intitulada “Liberdade de expressão em tempos de notícias falsas”, a palestra, apresentada por Patrícia Blanco (foto), umas das “especialistas” do Instituto Millenium, faz parte da campanha da direita contra o direito a liberdade de expressão. Alegando combater a disseminação de “notícias falsas”, a direita deseja manter sob controle quem produz conteúdo/informação, reservando à imprensa burguesa o monopólio de definir o que é ou não notícia.

Apesar do tom democrático do argumento da palestra, de que “…nada que seja feito para combater a onda das notícias falsas deve restringir a liberdade de expressão”, e mesmo apontando uma solução, “…o antídoto é igualmente conhecido: no choque com a verdade, o que é falso geralmente perde”, fica evidente que, para o monopólio da imprensa capitalista e para a direita, são eles os detentores da verdade e cabe a eles acabarem com essas supostas “falsificações”, ou seja, tudo aquilo que não sai das suas redações e que não passa pelo “rigor” editorial dos seus veículos.

Tentar acabar com a produção e disseminação de informação, através do argumento da “notícia falsa”, é um grave ataque à liberdade de expressão, e, consequentemente é um ataque aos órgãos de imprensa operários e populares, veículos nos quais os trabalhadores podem obter informação fora dos domínios patronais. Essas iniciativas ganharam força com o Golpe de Estado e tendem a se aprofundar com a iminência de um golpe militar.

É preciso combater investidas da direita como essa, no sentido de denunciar essa estratégia, e, em contrapartida, continuar fortalecendo a imprensa operária, popular e independente para que possamos continuar rebatendo a manipulação da imprensa burguesa.

artigo Anterior

Presente dos golpistas: energia elétrica sobe mais de 40%

Próximo artigo

O reino da arbitrariedade: está proibido falar mal da polícia na internet

Leia mais

Deixe uma resposta