Sindicato coleta assinatura para anular “reforma” trabalhista

Compartilhar:
Sindicato coleta assinatura para anular "reforma" trabalhista 1

O Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos da região do ABC, filiado à CUT (Central Única dos Trabalhadores) está realizando no interior das fábricas metalúrgicas a coleta de assinaturas para anular a famigerada lei golpista que modifica a legislação trabalhista no país, através de um projeto de lei de iniciativa popular.

Rascunho automático 67

A campanha realizada pelo Sindicato, aprovada no último Congresso da CUT, visa conseguir 1,3 milhão de assinaturas para que seja aprovado um projeto de lei que impeça que a lei 13.467/17, aprovada pelo governo e Congresso golpista, estabeleça no país um retrocesso nos direitos dos trabalhadores equivalente ao início do século XX.

A “reforma” trabalhista realizada pelos golpistas vem sendo questionadas até pelos juízes do Trabalho, que consideram que esta lei colocará os trabalhadores brasileiros em um regime de escravidão, extinguindo direitos garantidos na própria Constituição brasileira de 1988.

O Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos do ABC já realizaram a campanha nas fábricas da Dana, Delga, Affina (Nakata) e IGP, todas na cidade de Diadema.

Em São Bernardo do Campo, os metalúrgicos já realizaram a coleta na fábrica da Arteb e Samot.

Além da coleta de assinaturas o Sindicato vem realizando palestras no interior das fábricas para esclarecer os malefícios que essa ¨reforma¨ trará a classe trabalhadora brasileira.

Além dessa campanha, os trabalhadores precisam entender que sem lutar contra o golpe de estado impetrado pela direita brasileira em conluio com o Imperialismo, o Brasil se tornará em pouco tempo, em um país com graves problemas sociais, como alto índice de desemprego e pobreza, comparáveis aos países do continente africano.

Nesse sentido, é preciso fortalecer a campanha contra o golpe e todas suas reformas e pela anulação do impeachment, multiplicando os comitês de luta contra o golpe e unificando todas as lutas contra as medidas do governo em torno da luta pela derrota dos golpistas.

artigo Anterior

Amônia: a convivência dos trabalhadores com o perigo em frigoríficos

Próximo artigo

Golpistas reajustam o preço dos serviços dos Correios pela segunda vez no ano

Leia mais

Deixe uma resposta