Traição da greve dos Correios vai deixar 52 mil pais e mães sem plano de saúde

Compartilhar:

Os sindicalistas do novo “Bando dos Quatro” (PT, PCdoB, PSTU e diretoria do Sintect-MG-LPS) que comemoraram o acordo coletivo dos trabalhadores dos Correios assinado em 10 de outubro levará à exclusão de 52 mil pais e mães de trabalhadores ecetistas que usam o plano dos Correios.

Rascunho automático 67

Esses sindicalistas acabaram com uma greve de 17 dias na categoria, orientando a categoria aceitar 2.07% de reajuste, desconto dos dias de greve e entrega da cláusula 28 do acordo coletivo que trata do plano de saúde, passando um cheque em branco para que os golpistas ministros do TST (Tribunal Superior do Trabalho), decidissem o que bem quisessem sobre o futuro desse importante benefício da categoria.

Sem greve, e sem campanha salarial, ficou fácil para o ministro golpista, Emmanoel Pereira, vice-ministro do TST, decidir pela destruição do plano, com pagamento de mensalidades pelos trabalhadores e exclusão dos familiares do plano de saúde. Uma enorme traição aos trabalhadores dos Correiros.

São mais de 52 mil pais e mães de funcionários dos Correios, com idade acima de 65 anos, com renda inferior a 1, 2 salários mínimos que simplesmente perderão o direito adquiridos na luta da categoria.

Uma derrota sem tamanho. Diante dessa traição é necessário apontar com todos os dedos os traidores que assinaram esse acordo e reorganizar a categoria para impedir esse brutal ataque que levará a interromper tratamentos médicos de pais e mães de trabalhadores, um caso de vida e morte.

artigo Anterior

Maduro tira embaixador do Canadá

Próximo artigo

Moralismo e censura também no Museu do Louvre

Leia mais

Deixe uma resposta