Vicente Cândido: um deputado do PT a serviço do golpe e da ditadura

Compartilhar:

A crise imposta pelos golpistas ao país, que tem o Partido dos Trabalhadores e suas organizações correlatas como principais alvos, trouxe à superfície a realidade política de diversas figuras. Em meio a um acirramento que desmascarou diversos fascistas e esquerdistas tresloucados, ainda há políticos oportunistas que fazem de tudo para manter a falsa aparência da normalidade.

Rascunho automático 67

É o caso do deputado Vicente Cândido, advogado filiado ao PT desde os anos 80, mas que parece não ter compreendido a gravidade inédita do cenário atual. Destacado para a relatoria do projeto de lei conhecido como Reforma Política, Cândido foi conivente com diversas lacerações no projeto, em nome de um consenso claramente direitista. A benevolência de Cândido era tamanha que, ao longo das cansativas horas de discussão do projeto, foi apressado por Rodrigo Maia (DEM), por ceder espaços demais às indagações dos outros parlamentares.

Porém, nos últimos instantes que antecederam a votação, o deputado Aureo do Partido Solidariedade (do Paulinho da Força) tentou incluir um dispositivo legal ainda mais direitista na já reacionária lei. Seguindo a tendência de esmigalhar o devido processo legal, Aureo solicitou a inclusão de um mecanismo de censura que obrigaria os veículos de comunicação a retirarem conteúdo de denúncia de seus domínios imediatamente após a solicitação dos políticos.

Cândido deferiu o pedido e incluiu o dispositivo na lei. Como se não bastasse, justificou com o seguinte argumento: A imprensa gosta da liberdade absoluta, que não existe no mundo. Liberdade existe com regra, com punição, com limites. As redes sociais hoje viraram uma faca de dois gumes, como diz, ela é boa para construir e boa pra destruir. Então temos que ter regramento. Não vejo nenhum problema dessa regra que votamos pela madrugada. Só que precisa ser bem aplicada, com lisura e com decência. Até deputados golpistas como Cristovam Buarque (PPS) e Randolfe Rodrigues (Rede) se posicionaram contrários à medida.

Ante a imediata e gigantesca repercussão negativa, o próprio deputado Aureo solicitou a Michel Temer que a vetasse, o que foi feito logo na manhã da sexta-feira (06).

Impossível precisar o que levou o deputado do PT a compactuar com um ato que legaliza a censura, principalmente em uma conjuntura onde figuras como João Doria Jr (PSDB) e os fascistas do MBL já a praticam de forma artificiosa. Mas uma coisa ficou clara: o deputado, ao agir de forma tão deslocada da realidade, demonstrou mais uma vez que faz parte da ala petista pró-golpe, que não entendeu a profundidade e abrangência da destruição imposta ao país.

artigo Anterior

Crise da social-democracia é resultado da polarização política

Próximo artigo

Abaixo o falso moralismo da direita defensora da tortura e do golpe

Leia mais

Deixe uma resposta